É possível antecipar a aposentadoria?

aposentadoria

Com a nova reforma da previdência chegando, a possibilidade de pessoas como eu, na faixa dos 30 anos, se aposentar aos 65, 70, 75 anos será inevitável.

Eu não me oponho a trabalhar, mas eu não quero trabalhar até os 75 anos por obrigação, principalmente porque não sei como estarei, se terei forças físicas e mentais para aguentar uma jornada de 8 horas todos os dias.

Eu quero sim trabalhar até ficar velhinha se eu estiver bem de saúde, saudável, disponível. Talvez possa diminuir a minha jornada de trabalho, ou até quem sabe, ter a possibilidade de parar de trabalhar para ficar mais perto dos netos, mas tudo é muito hipotético ainda.

Durante a minha licença-maternidade, em 2015, minha ficha caiu de que sim, era possível aposentar antes dos 60 anos.

E com essa ficha nas mãos, eu e meu marido traçamos um objetivo de vida: nos aposentar daqui a 15 anos. Ou seja, me planejo aposentar aos 51 anos e meu marido aos 53.

Não queremos nos aposentar para parar de trabalhar e ficar sem fazer nada. Queremos nos aposentar para dedicar naquilo que gostamos, no que acreditamos, queremos nos descobrir, nos redescobrir.

Você pode até pensar “ué, por que não faz hoje o que gosta, ao invés de esperar a aposentadoria?”

É que o que nós queremos fazer não dá dinheiro, e agora com a minha família crescendo, tenho medo de chutar o pau da barraca, largar o meu emprego estável para depois não conseguir pagar as contas no final do mês, principalmente porque o emprego do meu marido é instável demais.

Por isso resolvi dar um passo de cada vez. A vida é muito longa e na minha cabeça, dará para fazer tudo no tempo certo. 

Vivemos o Hoje com intensidade, mas lembrando que o Amanhã um dia chegará.

Para que este plano dê certo, gosto sempre de ilustrar com este exemplo: um sonho, um futuro, uma meta é como se fosse uma ilha paradisíaca pra mim. Só que eu estou do lado de cá da ilha. Para atravessar, eu preciso construir uma ponte. E aí entra a pergunta que faço sempre: “o que estou fazendo HOJE para construir esta ponte que vai possibilitar a minha travessia AMANHÃ?”


Eu já comecei a construir e atravessar uma parte desta ponte. Para quem quer colocar os planos em ação, no início deste ano eu escrevi um post “a diferença entre Sonho e Meta” que vale a pena ser lido.

Para os descrentes, nos vemos daqui a 15 anos, do outro lado da ilha, quando eu completar 51 anos. 😉

Uma longa viagem começa com um único passo – Lao Tzu

~ Yuka ~

Como você faz para seu dinheiro render?

esticar-dinheiro

Esses dias fui passear no Shopping Cidade São Paulo, na Avenida Paulista. Não conhecia, apesar de ter sido inaugurado em 2015, nunca tinha tido curiosidade de conhecer. Só que tive um curso quase ao lado desse shopping, e como uma espécie de curiosidade, resolvi entrar.

Gente, o que é aquilo? Eu me assustei demais com os preços.

Tudo bem, sei que eu não sou rica, mas também não acho que recebo um salário ruim para ter me assustado tanto com os preços. Talvez porque eu perdi o costume de passear em shoppings, então pode ser que eu esteja desatualizada com os preços “normais” de shopping… mas pensem comigo, é normal pagar R$480,00 por um vestido de verão?

Sandalinhas rasteiras a R$280,00?

Entrei numa loja de brinquedos e a maioria estava tudo na faixa dos 99. Ou seja, R$299,00; R$399,00; R$499,00. Quando vi um brinquedo por R$599,00 eu resolvi ir embora para casa, porque foi demais pra mim.

E entendi porque meu salário rende tanto. Porque eu sei que o mesmo dinheiro pode ser utilizado de outras formas. Sei que há produtos de qualidade superior que o preço acompanha a qualidade. Mas também há muitos casos em que o preço não acompanha a qualidade, onde somente a marca é famosa e traz status.

Se eu consigo achar vestidos bonitos por R$80,00, porque eu pagaria um que custa R$480,00 e que cumpre exatamente a mesma função?

Antes eu achava normal pagar R$300,00 (o casal) em um restaurante, até eu pagar este valor em um restaurante bem famoso que possui menu único (e cá entre nós, nem achei tãaaao gostoso assim), e vi o absurdo que eu tinha feito com o meu suado dinheiro.

E desde então, eu e meu marido começamos a repensar de que forma temos gasto o nosso dinheiro.

Ao invés de pagar R$80,00 por uma pizza delivery, pagamos R$40,00 por uma igualmente boa (só tivemos que pesquisar por mais tempo).

Ao invés de comer em food truck’s, comer em pé e pagar R$120,00, começamos a procurar lugares bons e baratos para comer. Outro dia encontramos uma lanchonete que não dávamos nada, pedimos 4 esfihas deliciosas, 2 jarras de suco de melancia perfeitas e pagamos R$27,00.

Até para comprar verduras, frutas e ovos começamos a ir numa outra feira. Ao invés de pagar R$9,80 pela dúzia do ovo, passei a pagar R$3,80.

Outro dia, eu até pensei em levar minha filha e meu sobrinho no Aquário de São Paulo. Mas quando descobri o preço, eu decidi não ir. Custa R$80,00 adulto e R$50,00 infantil (de 3 a 12 anos) e eu gastaria R$210,00 de entrada (2 adultos, 1 criança e 1 bebê não pagante), fora o metrô e o táxi. Definitivamente não vale a pena para mim. Só que eu não desisti de ir no aquário. Minha família é de Santos, e também tem um aquário lá e o ingresso custa R$5,00 adulto e entrada gratuita para menores de 12 anos e maiores de 60 anos. Para fazer praticamente o mesmo tipo de passeio, ao invés de pagar R$210,00, eu pagaria R$10,00. Ah, tem um aquário bem pequeno também no Parque da Água Branca (São Paulo). Para uma criança que não tem nem 2 anos, e não consegue ficar por muito tempo concentrada, achei ótimo pagar R$3,00.

É disso que estou falando. Pra mim e para o meu marido, procurar estes tipos de locais virou a nossa diversão.

E assim eu vejo meu salário se esticando e sobrando cada vez mais.

Eu chamo isso de gastar bem o dinheiro. É saber valorizar o TEMPO que eu dei para a minha empresa em troca de um salário.

~ Yuka ~

14 dicas para economizar dinheiro

cofreO salário diminuiu ou as coisas estão mais caras?

Hoje vou falar como eu estou conseguindo guardar um pouco mais de dinheiro por mês.

1.) Economize nas coisas grandes:

Leio em várias revistas de que é muito importante contar as moedinhas, economizar no cafézinho de todo dia. Só que o esforço era tão grande para pouco retorno. Eu acho muito mais fácil economizar nas coisas grandes. Por exemplo, a economia será muito maior se a família mudar de bairro para abaixar o aluguel e condomínio, ou trocar o plano de celular pós-pago para um pré-pago, ou quando houver reajuste de salário, poupar a diferença recebida.

2.) Abra mão do carro. Se precisar, ande de táxi:

Para quem tem carro, essa é bem difícil. Sei disso porque já tive carro. Mas acho que é um dos itens que mais dá para economizar (leia o post – compensa ter um carro ou andar de transporte público?). Eu separo todo mês um dinheirinho para mim e para o meu marido andarmos de táxi, mas nunca precisamos usar a cota toda.

3.) Converse com seu gerente, tire as taxas de administração, a anuidade do cartão de crédito, taxa de carregamento:

Os bancos são campeões em cobrar taxas… Um real aqui, dois reais ali, e no final do ano, acabam por descontar um valor considerável da nossa conta. Converse com seu gerente e negocie.

4.) Tenha um celular pré-pago:

Eu já tive um celular pós-pago, e foi um horror para o meu bolso. Controlava os minutos para não ultrapassar a cota do plano, mas todos os meses a operadora de celular cobrava valores que eu não sabia onde tinha gastado. Depois que troquei para pré-pago, tudo ficou bem.

5.) Avalie se compensa ter TV a cabo:

Outro item que eu já tive em casa, mas percebi que o valor cobrado era alto demais para o pouco tempo que estava assistindo. Hoje, assinamos a Netflix.

6.) Evite terceirizar serviços:

Limpe a casa, faça as suas próprias unhas, hidrate seus cabelos, aprenda a consertar chuveiro… Hoje em dia, há vários vídeos no Youtube que ensinam como fazer as coisas. Isso inclui também sobre colocar a responsabilidade de gerenciar o seu dinheiro para o gerente do banco.

7.) Leve marmita ao trabalho:

Além de ser muito mais saudável (menos gordura e sódio), é uma ótima forma de economizar dinheiro. Ao invés de almoçar todos os dias em restaurantes, reserve essas saídas para ocasiões especiais.

8.) Não subestime os programas de fidelidade:

Escrevi um post sobre isso aqui.

9.) Não desperdice comida:

Esse é um item que ainda é difícil pra mim. Mas pense bem, qual a diferença de jogar comida no lixo e rasgar dinheiro?

10.) Antes de comprar, compare o preço pela internet, acompanhe oscilações dos preços:

Geralmente eu faço assim: quando eu preciso comprar alguma coisa, gosto de ir até a alguma loja física para olhar o produto pessoalmente. Olho o design, levo uma fita métrica para medir certinho o tamanho, vejo o funcionamento, converso com o vendedor e decido qual modelo quero levar. Decidido o modelo, começo a acompanhar os preços nas lojas virtuais diariamente por um período de 2 a 3 semanas, e vou anotando todas as oscilações de preço em uma folha de papel. Vocês podem até achar um exagero o que eu faço, mas se vocês soubessem como o preço sobe e desce, fariam o mesmo. Acompanhando o preço por esse período, dá para começar a perceber que tem sempre um limite de preço que o produto chega. E foi assim que eu economizei R$580,00 ao comprar a minha máquina de lavar roupa.

11.) Não tenha preconceitos de marcas que você não conhece. Experimente.

Quando fiz o meu chá-de-bebê na empresa onde trabalho, ganhei muitas fraldas, de marcas variadas. Algumas são melhores que as outras, por isso as melhores uso para sair e também para dormir, pois segura melhor o xixi, enquanto as outras que não acho tão boas, uso quando minha filha está em casa, já que posso trocar a fralda com maior frequência.

12.) Compare preços no supermercado

Sério, está valendo muito a pena fazer isso. Ontem fui no mercado e comparei o preço de 2 supermercados mais próximos de casa, olha só a diferença nos preços:

  • Cebola: R$4,99 e R$2,99 (diferença de R$2,00)
  • Limão: R$8,99 e R$3,49 (diferença de R$5,50)
  • Essência de baunilha: R$7,99 e R$5,69 (diferença de R$2,30)
  • Iogurte: R$2,92 e R$5,29 (diferença de R$2,37)
  • Creme de cebola: R$4,00 e R$5,49 (diferença de R$1,49)
  • Sabão de côco: R$4,40 e R$6,49 (diferença de R$2,09)

Deu pra ver a roubada de não comparar preços, né? Em cada compra, eu estou economizando em torno de R$30,00. E meu único trabalho é andar 1 quadra a mais.

13.) Não compare sua vida com a dos outros:

Não compare a sua vida com a dos outros, pois isso é bem complicado. Sempre existirá pessoas com mais posses que você. Ao comparar, você sempre irá querer o que o outro tem e isso não tem fim. Aprenda a ter gratidão das coisas que você já conquistou.

14.) Tenha apenas o suficiente:

Precisamos aprender e a entender o nosso limite do que é suficiente para nós, pois o que é suficiente para você pode não ser suficiente para mim. Pra mim é suficiente ter poucos esmaltes, mas para quem adora fazer as unhas, pode ser que 5 esmaltes seja pouco demais. Avalie o que é suficiente para você: bolsas, sapatos, roupas, eletrônicos, acessórios, cintos, itens de decoração, itens de cozinha, etc.

~ Guta ~

Afinal, quanto custa ter um filho?

maternidade

Eu sempre tive uma curiosidade muito grande em saber se todos os objetos, roupas, brinquedos, preparação do quarto e se tudo o que os pais compram são realmente necessários, ou se são supérfluos.

Concordo muito com o texto da Rosely Sayão que eu comentei aqui, Mas nunca soube responder com exatidão por justamente não ter a experiência de uma maternidade.

Eu descobri que estou grávida do meu primeiro filho. E resolvi aproveitar essa experiência para tentar compartilhar com vocês o que é necessário e o que eu achei desnecessário na minha gestação.

Encontrei esse post, do blog Vida Organizada, muito interessante e acho que muita coisa irei seguir.

Muitas pessoas perguntaram para mim, agora que estou grávida, se eu compraria um carro. Não, não comprarei um carro. E também continuarei no meu apartamento de 1 dormitório.

O berço ficará no nosso quarto, dividindo o quarto conosco. Claro, não para sempre, mas até o filho completar 1 ou 2 anos. Esse é o tempo necessário para continuarmos com o nosso planejamento de juntar dinheiro suficiente para fazer a mudança para um apartamento de 2 quartos, com planejamento e segurança financeira.

Também não comprarei muitas coisas, apenas o necessário.

Pra mim, a questão toda não é economizar ou não querer gastar dinheiro. Eu não quero comprar o que eu não vou usar. A economia que gera por eu tentar viver uma vida mais simples, é a consequência.

Não quero ter o trabalho de ir na loja, escolher, pagar, esperar chegar em casa, arranjar um lugar em casa pra colocar o que comprei, não quero tirar o pó de uma coisa que não uso, depois ter o trabalho de me desfazer (dar para alguém? Vender? Jogar fora?) e perceber que gastei energia e tempo à toa.

Por isso penso e analiso muito antes de trazer algo em casa para não trazer dor de cabeça futura.

A nossa prioridade será dar atenção, carinho, amor, educação, conhecimento, e principalmente tempo para o nosso filho.

Será uma nova fase 🙂

O próximo post será sobre a lista de enxoval minimalista para bebê que eu estou montando.

– Guta –

Quanto custa ter um filho?

quanto custa um filho

Hoje li um texto muito interessante da Rosely Sayão, publicado na Folha de São Paulo.

Reproduzo alguns trechos bem interessantes:

“Festas de aniversário com direito a recreacionistas, bufês, lembrancinhas etc.; viagens ao exterior; calçados ou roupas caras porque da moda; brinquedos e traquitanas tecnológicas de última geração; e mais: carro, escola, cursos extracurriculares, altas mesadas, aprendizado de língua estrangeira no exterior etc (…). Os filhos querem, querem, querem, querem sempre mais. Nunca estão satisfeitos. E os pais trabalham, trabalham, trabalham cada vez mais para ganhar mais e, assim, tentar satisfazer as necessidades e os caprichos do filho, que quase sempre custam bem caro (…). Ter um filho custa horas de sono e muitas preocupações; custa mudanças de vida temporárias e renúncias; custa a necessidade de disponibilidade pessoal constante; custa abdicar de sonhos e projetos; custa paciência quando ela já se foi, custa perseverança mesmo quando cansados, e muito mais.”

Muitas famílias que não têm condições financeiras em colocar os filhos em uma escola privada ou oferecer uma viagem ao exterior, possuem também filhos honestos e esforçados. É bom lembrar que oferecer tudo do bom e do melhor, não é garantia de ter um filho de sucesso.

Se tiver interesse, visite a página para ler o texto na íntegra.

~ Guta ~

Como se planejar para nunca faltar dinheiro

cofreComo eu havia dito no outro post (viver com menos dinheiro) eu não gasto muito. Ou melhor, gasto com as coisas que considero importante para o meu Presente e para o meu Futuro.

Minha mãe sempre me ensinou a poupar e a mostrar que caminho percorrer. Contava casos de amigas que tinham uma vida estável, mas ao envelhecer, perderam tudo, pois não tinham plano de saúde, nem planejado uma aposentadoria. Aprendi que não podemos contar com os filhos, pois é injusto jogar essa responsabilidade para eles. E se os filhos estiverem numa situação difícil também? Nunca se sabe.

Hoje, meus gastos se resumem em Necessidade + Lazer + Prevenção + Projetos Futuros. O segredo é ficar de olho para não perder os momentos legais de hoje, mas nunca perder de vista o que você quer para o seu futuro, ou seja, me planejo para ter uma vida confortável HOJE e tentar manter um padrão de vida confortável AMANHÃ.

Em alguns casos, sei que é bem difícil ajustar o salário para poder pagar um plano de saúde e uma previdência privada. Mas o que eu fiz foi o seguinte: meu salário foi melhorando aos poucos, às vezes com promoção e outras vezes somente com o reajuste anual. Mas a minha vida continuou a mesma. Vou explicar… não passei a comprar roupas mais caras, nem comecei a frequentar restaurantes mais caros só porque meu salário aumentou. Na época vivia de aluguel, e continuei com o meu aluguel barato, nem pensei na possibilidade de mudar de lugar. Tenho internet e tv a cabo há menos de 1 ano, antes, não tinha. Apesar do meu salário ter aumentado com o tempo, o meu padrão de vida não aumentou. E com isso consegui começar a incluir alguns pagamentos que considero importantes, como a Prevenção (plano de saúde, previdência privada, gastos gerais).

Meus pagamentos mensais são:

– Condomínio (necessidade)

– Luz (necessidade)

– Plano de saúde (prevenção)

– Transporte – metrô e ônibus – para ir trabalhar (necessidade)

– Plano de Internet + TV a cabo (lazer)

– Recarga de celular pré-pago (já usei pós-pago e quase fui à falência rsrs) (lazer)

– Previdência privada (prevenção)

– Gastos gerais – estipulamos um valor fixo, pra comprar gás de cozinha, ou outras coisas pra casa. Mas passamos meses sem precisar gastar esse dinheiro (prevenção)

– Mesada pra mim e pro marido – estipulamos um valor fixo (lazer)

– Todo o restante do salário que sobra vai pra poupança (projetos futuros)

Não gastamos com supermercado, nem restaurante, porque ganhamos vale alimentação da empresa que trabalhamos. Os passeios de fim-de-semana, tentamos sempre gastar com o nosso vale refeição.

Essa fórmula tem dado certo pra gente, porque tanto eu como meu marido somos poupadores. Então todo início do mês, somamos nosso salário, subtraímos todos os pagamentos, separamos nossa mesada e poupamos o resto.

Sinto que dessa forma, estou conseguindo aproveitar o momento, fazer passeios, viajar, mas sempre de olho no futuro próximo (como a compra de um apartamento) e no futuro distante (como a nossa aposentadoria).

Viver com menos dinheiro

viver com menos dinheiro

Você precisa de quanto para viver bem?

Depois que comprei o meu apartamento, descobri que não gasto tanto e que não preciso de muito para ser feliz.

Na verdade, quase não gasto dinheiro no meu dia-a-dia, além do supermercado.

Pago minhas contas em dia, condomínio, luz, internet, previdência privada e gasto com coisas necessárias como transporte, celular, supermercado.

Aprendi desde criança a Ser, e não Ter. Principalmente devido às circunstâncias, já que não tínhamos dinheiro para comprar brinquedos, nem roupas, nem doces. Mas sabia construir os melhores castelos com caixa de papelão, ajustava as roupas que ganhava das primas com a máquina de costura e minha mãe preparava doces deliciosos apenas misturando farinha, açúcar, ovos e margarina. Nunca tive ninguém para arrumar a minha bagunça, nem diarista, nem faxineira, nem cozinheira, muito menos passadeira.

Aprendi desde cedo a costurar roupas, pintar paredes, usar a furadeira, montar móveis, até cabelo já cortei.

Quase não preciso contratar ninguém para prestar serviços. Por exemplo, sei fazer minhas unhas melhor que a manicure, sei instalar prateleiras, pintar paredes, arrumar a tomada, trocar chuveiro, cozinhar, instalar varão de cortina, costurar, fazer bijuterias, fazer artesanato e a lista é imensa, por isso paro por aqui. Se um dia ficar desempregada, fome eu não passo rsrs.

A questão toda não é que eu nasci sabendo. Eu aprendi fazendo. E o que eu não sei, eu aprendo, pergunto pra alguém, peço pra alguém me ensinar, aprendo na internet, no youtube. E me viro pra aprender. E gosto dessa ideia de cada vez, ser mais e mais independente.

Eu que sempre morei sozinha e trabalhei desde a adolescência, tinha dificuldades em agendar com um eletricista para trocar um chuveiro queimado, por exemplo. Tenho que ligar, combinar uma data, chegar atrasada ou faltar no trabalho para receber a pessoa em casa (que muitas vezes não chega no horário), pagar e ainda limpar a sujeira que a pessoa deixa pra trás. Acho muito mais fácil aprender a fazer e consertar logo. Demora menos tempo.

E fazendo desse jeito, quando percebi, estava gastando menos dinheiro a cada dia que passava.

Com o casamento foi assim. Olhei as lembrancinhas, as decorações, mas não me conformava com o preço alto e qualidade baixa dos produtos. Pensava comigo mesma, se eu fizesse, sairia muito mais barato e muito mais bonito. E dito e feito. O casamento foi perfeito. Não poderia ter sido melhor.

Também acho muito interessante a ideia de trocar serviços. Se eu sei instalar uma prateleira, não vejo problemas em instalar para alguém e esse alguém oferecer um suco pra mim. Ou eu faço a barra da calça de alguém e esse alguém passa algumas roupas pra mim. São troca de favores sem envolver dinheiro. Dá certo também quando você tem amigos com formações profissionais diferentes: arquiteto, advogado, pedreiro, massagista, contador, pintor, cabeleireiro, webdesigner, etc.

Mas vejo que as pessoas não estão acostumadas com essa forma de pensar. Acham que é normal pagar uma pessoa para fazer um serviço que teoricamente você tem condições de fazer. Já conversei com muitos amigos, mas a maioria acha que não tem habilidades que possam ser compartilhadas. Se conseguíssemos estimular as pessoas a trocarem favores, seria uma oportunidade de estreitar laços de convivência e de cultivar a solidariedade.