Como você faz para seu dinheiro render?

esticar-dinheiro

Esses dias fui passear no Shopping Cidade São Paulo, na Avenida Paulista. Não conhecia, apesar de ter sido inaugurado em 2015, nunca tinha tido curiosidade de conhecer. Só que tive um curso quase ao lado desse shopping, e como uma espécie de curiosidade, resolvi entrar.

Gente, o que é aquilo? Eu me assustei demais com os preços.

Tudo bem, sei que eu não sou rica, mas também não acho que recebo um salário ruim para ter me assustado tanto com os preços. Talvez porque eu perdi o costume de passear em shoppings, então pode ser que eu esteja desatualizada com os preços “normais” de shopping… mas pensem comigo, é normal pagar R$480,00 por um vestido de verão?

Sandalinhas rasteiras a R$280,00?

Entrei numa loja de brinquedos e a maioria estava tudo na faixa dos 99. Ou seja, R$299,00; R$399,00; R$499,00. Quando vi um brinquedo por R$599,00 eu resolvi ir embora para casa, porque foi demais pra mim.

E entendi porque meu salário rende tanto. Porque eu sei que o mesmo dinheiro pode ser utilizado de outras formas. Sei que há produtos de qualidade superior que o preço acompanha a qualidade. Mas também há muitos casos em que o preço não acompanha a qualidade, onde somente a marca é famosa e traz status.

Se eu consigo achar vestidos bonitos por R$80,00, porque eu pagaria um que custa R$480,00 e que cumpre exatamente a mesma função?

Antes eu achava normal pagar R$300,00 (o casal) em um restaurante, até eu pagar este valor em um restaurante bem famoso que possui menu único (e cá entre nós, nem achei tãaaao gostoso assim), e vi o absurdo que eu tinha feito com o meu suado dinheiro.

E desde então, eu e meu marido começamos a repensar de que forma temos gasto o nosso dinheiro.

Ao invés de pagar R$80,00 por uma pizza delivery, pagamos R$40,00 por uma igualmente boa (só tivemos que pesquisar por mais tempo).

Ao invés de comer em food truck’s, comer em pé e pagar R$120,00, começamos a procurar lugares bons e baratos para comer. Outro dia encontramos uma lanchonete que não dávamos nada, pedimos 4 esfihas deliciosas, 2 jarras de suco de melancia perfeitas e pagamos R$27,00.

Até para comprar verduras, frutas e ovos começamos a ir numa outra feira. Ao invés de pagar R$9,80 pela dúzia do ovo, passei a pagar R$3,80.

Outro dia, eu até pensei em levar minha filha e meu sobrinho no Aquário de São Paulo. Mas quando descobri o preço, eu decidi não ir. Custa R$80,00 adulto e R$50,00 infantil (de 3 a 12 anos) e eu gastaria R$210,00 de entrada (2 adultos, 1 criança e 1 bebê não pagante), fora o metrô e o táxi. Definitivamente não vale a pena para mim. Só que eu não desisti de ir no aquário. Minha família é de Santos, e também tem um aquário lá e o ingresso custa R$5,00 adulto e entrada gratuita para menores de 12 anos e maiores de 60 anos. Para fazer praticamente o mesmo tipo de passeio, ao invés de pagar R$210,00, eu pagaria R$10,00. Ah, tem um aquário bem pequeno também no Parque da Água Branca (São Paulo). Para uma criança que não tem nem 2 anos, e não consegue ficar por muito tempo concentrada, achei ótimo pagar R$3,00.

É disso que estou falando. Pra mim e para o meu marido, procurar estes tipos de locais virou a nossa diversão.

E assim eu vejo meu salário se esticando e sobrando cada vez mais.

Eu chamo isso de gastar bem o dinheiro. É saber valorizar o TEMPO que eu dei para a minha empresa em troca de um salário.

~ Yuka ~

8 dicas para economizar no supermercado

supermercado

Já foi a época em que R$100,00 enchia um carrinho de supermercado.

E para driblar os altos preços, vou compartilhar aqui as dicas que funcionaram comigo.

1. ) COMPARE PREÇOS

Essa dica é das antigas, mas vejo que realmente vale a pena. Eu achava meio complicado comparar preços porque eu sempre comprava coisas que não estava precisando. Por isso agora eu sempre levo uma lista dos itens que preciso comprar e sigo fielmente a lista. No início do mês, fiz uma compra para abastecer a minha despensa e a diferença de preço no final desta compra foi surpreendente, nada menos que R$55,00 de economia em uma única compra. Imagina como vou economizar se eu fizer o mês todo? E comecei a lembrar o que um professor havia dito para mim há alguns anos. “O supermercado quando faz promoção de pão, eleva o preço da manteiga.” E essa relação se estende em outros produtos: promoção no molho, aumenta o macarrão; promoção no carvão, eleva o preço da carne… Por isso a necessidade de passar em 2 mercados para conseguir comprar o “pão” mais barato em um mercado e a “manteiga” mais barata no outro mercado.

Na prática, eu faço assim:

Quando monto a lista de compras, já monto por ordem dos corredores me baseando no primeiro mercado (já que cada mercado tem a sua forma de colocar os produtos nas prateleiras): primeiro o corredor das verduras e frutas, depois os laticínios, itens de mercearia, produtos de limpeza, etc. Assim fica fácil anotar os preços.

Escolho 2 supermercados mais próximos da minha casa e que fica na mesma direção. Passo primeiro no mais próximo, anoto rapidamente todos os preços e já vou para o outro mercado fazer as compras. Compro somente o que está mais barato, e se tiver tempo, volto no primeiro mercado para comprar os itens restantes.

Olha como vale a pena comparar:

Se eu tivesse feito a compra somente no supermercado que sempre ia, eu teria gasto os seguintes valores (são valores reais, tá?):

  • Semana 1: R$162,42
  • Semana 2: R$41,25
  • Semana 3: R$117,03
  • Semana 4: R$299,99

Comparando os preços do jeito que eu expliquei acima, os valores abaixaram:

  • Semana 1: R$125,92
  • Semana 2: R$36,75
  • Semana 3: R$107,93
  • Semana 4: R$232,92

Ou seja, eu gastaria R$620,69 ao invés de R$503,52. Uma economia de R$117,17 em um mês. Nada mal, heim?

2. ) NÃO COMPRE CARNES NO SUPERMERCADO

Não sei se vocês compartilham da mesma opinião que eu, mas tenho achado as carnes no supermercado um absurdo de caro. Agora compro no açougue ou em lojas especializadas em carnes (como a Swift) e já compro carne para 2 meses. Percebi que sai bem mais barato do que comprar em bandejinhas.

3.) CULTIVE ALGUNS TEMPEROS

Eu tenho uma hortinha onde cultivo alguns temperos. Até tentei plantar alface, rúcula, mas dava muito trabalho. Agora tenho somente temperos que uso com bastante frequência: tomilho, alecrim, manjericão, cebolinha e salsinha. A parte boa é que desta forma, os temperos nunca murcham, já que colho no momento da preparação da comida.

4.) NÃO JOGUE COMIDA NO LIXO

A minha mãe outro dia falou que ela não produz lixo orgânico. Demos até risada desse comentário, mas a verdade é que ela consome quase tudo com a casca. E o que não come com a casca, guarda no congelador para fazer sopas, caldos, etc. Eu sempre me pergunto, qual a diferença de jogar comida no lixo e rasgar dinheiro? Nenhum, né? Para isso, o ideal é ir treinando para transformar os pratos em outros pratos, dando sempre a impressão de que não está comendo a comida de ontem. Por exemplo: a almôndega de ontem, vira macarrão com carne moída; a sobra de arroz de ontem, vira bolinho de arroz; etc.

5.) FAÇA ESTOQUES DE ALGUNS PRODUTOS

Apesar de muita gente não recomendar fazer estoques por acreditar que é dinheiro parado, eu discordo em partes. Faço estoque de itens que sempre consumo quando está na promoção. Por exemplo, sempre compro leite em torno de R$2,80. Outro dia o mesmo leite estava na promoção por R$1,70. Comprei várias caixas.

6.) NÃO COMPRAR PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS

Aprenda a cozinhar coisas gostosas. Ao invés de comprar um bolo pronto, faço um bolo. Ao invés de comprar uma torta, faço uma torta. Além de ser mais saudável, é muito mais gostoso. Para facilitar, congelo o que for possível, como molho de tomate, tortas, etc. Acho interessante “colecionar” receitas fáceis e gostosas.

7.) EXPERIMENTAR OUTRAS MARCAS

Eu gosto de experimentar marcas novas, pois se não gostar, é só voltar para a marca que gosto. E muitas vezes tenho surpresas agradáveis. Em casa a gente faz assim, como meu marido tem o paladar mais aguçado, eu vou comprando algumas marcas para ir experimentando e quando ele não gosta do sabor de alguma, ele já me avisa para que eu não compre mais daquela marca. Muitas vezes, o produto mais caro não é sinônimo do mais gostoso.

8.) QUARTA-FEIRA É DIA DE FEIRA

Alguns mercados têm os dias da semana de promoção. Acompanhe e tente conciliar a agenda.

~ Yuka ~

Como carregar frutas delicadas sem amassar

Eu e meu marido levamos marmita todos os dias para o trabalho, de segunda à sexta-feira.

E para que a nossa refeição seja balanceada, acrescento salada e uma fruta todos os dias para comermos na hora do almoço.

Só que sempre tive dificuldade de levar frutas delicadas como pêra, caqui, banana, porque sempre chega amassadinho no trabalho. Para quem mora perto ou vai de carro até o trabalho, isso não deve ser um problema. Mas para quem vai de transporte público, a marmita “dança” dentro da bolsa e a fruta não chega tão intacta assim no trabalho.

Das duas uma: ou eu levava para o trabalho a fruta ainda verde e esperava amadurecer durante a semana, ou levava as frutas mais firmes como maçã, goiaba, kiwi etc.

Outro dia vi uma colega de trabalho carregando uma pêra embrulhada no papel toalha dentro de um pote plástico com tampa. Ela me mostrou e a fruta estava lá, intacta.

Pensei mais um pouco e testei com sacos plásticos, para poder reutilizar várias vezes.

E deu super certo.

Pode ser que o que eu estou compartilhando aqui seja a coisa mais banal… mas pra mim foi uma baita de uma novidade, do tipo “como nunca pensei nisso antes?”.

Veja a seguir:

Primeiro, pegue um tapuer que caiba a fruta.

Primeiro, pegue um pote (com tampa) que caiba a fruta.

Em seguida, acrescente alguns sacos plásticos, o suficiente para fazer um "colchão".

Em seguida, acrescente alguns sacos plásticos, o suficiente para fazer um “colchão”.

Olha como ficou.

Olha como ficou.

Antes de colocar a fruta, eu espalho o plástico para fora para depois colocar a fruta entre os plásticos. Isso cria uma parede protetora.

Antes de colocar a fruta, eu espalho o plástico para fora para depois colocar a fruta entre os plásticos. Isso cria uma parede protetora.

E vou mergulhando a fruta junto com o plástico.

E vou mergulhando a fruta junto com o plástico.

Ficou assim.

Ficou assim.

E agora pode tampar.

E agora pode tampar.

E olha como a pêra chegou no trabalho? Intacta!

E olha como a pêra chegou no trabalho: intacta!

~ Guta ~

Como aproveitar seu batom até o final

IMG_5429
Dando continuidade ao post “Você usa seus cremes até o final?“, desta vez, a bola da vez são os batons.

Você sabia que quando terminamos de usar um batom, mais de 1/3 dele fica escondido na parte interna da embalagem? Isso significa que jogamos fora pelo menos 33% do dinheiro que pagamos pelo batom.

Por isso quando eu termino de usar os batons, retiro todo o conteúdo restante da embalagem com a ajuda de um palito de metal (você pode usar um palito de dente).

Na foto abaixo, o batom que está à direita está novo, só pra confirmar que jogamos mais de 1/3 do batom no lixo.

IMG_5430

IMG_5431

Para facilitar na hora de usar, guardo nestes potinhos que comprei em lojas de perfumaria ou em lojas de embalagens plásticas.

Identifico a cor do batom na tampa do pote para não confundir e carrego na minha necessáire. Na hora de usar, utilizo um pincél próprio para os lábios.

batom

Dura uma eternidade. Esses aí da foto eu deixo na necessáire do meu trabalho.

~ Guta ~

Faça bom uso dos programas de fidelidade

fidelidade

Eu não gosto de participar de muitos programas de fidelidade, simplesmente porque não consigo acumular muitos pontos.

Se não tem gastos, não há pontos para acumular, certo?

Por causa desse pequeno-grande detalhe, eu tento concentrar em alguns programas de fidelidade para não dispersar os pontos:

– Programa Mais do Supermercado Pão de Açúcar: é o mercado mais próximo de casa. A cada R$1,00 gasto, acumulo 1 ponto. Por ano, consigo resgatar de R$50 a R$100 em compras.

– Programa Nota Fiscal Paulista: o resgate acontece 2 vezes por ano. Por ano, consigo resgatar de R$100 a R$200.

– Programa Sempre Presente (pontos do cartão de crédito do Itaú): eu e o meu marido compartilhamos uma conta conjunta para concentrar nossas compras em um único cartão de crédito. O resgate varia muito de ano para ano, mas como eu já tinha pontos acumulados dos anos anteriores, transferi meus pontos para o Multiplus e troquei por um vale da Tok&Stok no valor de R$600. Eu estava juntando os pontos para fazer uma viagem, até que descobri que a minha rotina de gastos é muito baixa para conseguir fazer uma viagem através de milhas, sem que os pontos expirassem antes. Sabendo disso, comecei a trocar os pontos em vale-compras.

– Multiplus: além de transformar os pontos do cartão de crédito no Multiplus, acumulo pontos comprando em farmácias conveniadas.

– Méliuz: se eu faço alguma compra no site de meu interesse (Ponto Frio, Nespresso, Americanas, Wallmart, etc) entrando primeiro no site do Méliuz, além de ganhar um desconto no momento da compra, recebo uma parte do dinheiro de volta. Quem me indicou este site foi a Bruna do Uma Vida Mais Simples. Eu adorei!

Bom, são esses os programas que tenho cadastro. Antes, eu participava de vários programas de fidelidade e os pontos ficavam dispersos e nunca conseguia juntar pontos suficiente para trocar por alguma coisa (pois a maioria dos programas possuem prazo de validade).

Depois de passar a concentrar os pontos em poucos programas de fidelidade, tenho resgatado muito mais vezes. ✌️

~ Guta ~

Jogar fora ou consertar?

Pois é, eis a questão.

Às vezes, consertar sai tão caro que compensa comprar um novo, mas também fico pensando em como geramos lixo de forma desnecessária. Ao invés de jogar fora uma única peça quebrada, ou uma bateria, acabamos comprando um aparelho inteiro novo.

Eu achei que quando a tira do meu chinelo arrebentasse, eu ficaria toda contente em poder comprar um chinelo mais colorido. Mas quando a tira arrebentou e percebi que o chinelo ainda estava inteiro, fiquei com dó de me desfazer. Fui na feira, paguei 4 reais e simplesmente troquei as tiras. Ao invés de ir para o lixo o chinelo todo, foram só as tiras arrebentadas que foram para o lixo.

chinelo

Parece que tudo é tão descartável e substituível, né?

Aconteceu um caso semelhante, só que desta vez com o meu aspirador de pó Ergorapido, da Eletrolux. Ele é muito bom, gosto bastante do design, da praticidade, da sua funcionalidade. Mas depois de 1 ano de uso, a bateria ficou fraca e a potência do aspirador já não era mais a mesma.

Fiquei também com muita dúvida se comprava um novo ou trocava a bateria. Há muitas reclamações por parte dos clientes da Eletrolux em relação ao preço dessa bateria. Eu paguei nesse aspirador, em 2013, por R$250,00. A troca de bateria custa R$180,00.

Descobri que eu deixei a bateria viciada, pois deixava a tomada ligada 24 horas por dia, 7 dias por semana. O técnico da Electrolux me explicou que a bateria desse aspirador é como de um celular. Carregou, tem que tirar da tomada. Por isso o aspirador da minha mãe, que é bem mais antigo que o meu, ainda funciona, enquanto o meu aspirador que é bem mais novo estava com a bateria fraca…

Baseada na mesma decisão em relação ao chinelo, resolvi não jogar todo o aspirador fora, e troquei somente a bateria. Pelo menos não gero tanto lixo.

Depois de 90 dias da troca, posso afirmar que estou bem feliz em relação a decisão tomada. O aspirador está funcionando de vento em popa e ainda evitei que ele virasse uma sucata.

~ Guta ~

Você usa seus cremes até o final?

Eu achava que sim.
Até que descobri que não.
Pelo simples fato de nunca perceber a quantidade de produto que ainda ficava nos tubos e potes de creme após achar que tinha tirado até a última gota.
Olha só neste exemplo.
Eu terminei de usar o protetor solar e após perceber que não saía mais nenhuma gota mesmo com todo o meu esforço de apertar, resolvi abrir o tubo com uma tesoura.
Olha quanto de creme ainda tinha dentro.

creme1

creme2
Adivinhem quantas vezes mais eu consegui passar o protetor no meu rosto?
Nove vezes.
Foram nove aplicações generosas no meu rosto. Inacreditável, não? E pensar que já estava indo para o lixo…

Fiz um outro teste, só que desta vez com o protetor solar que meu marido passa no corpo para andar de bike. Pedi para ele não jogar fora o tubo depois que terminasse de usar.

creme3

Abri com a tesoura, mostrei pra ele a quantidade de protetor solar que ainda tinha dentro, e ele conseguiu aplicar 7 vezes pelo corpo (em cada aplicação, ele passa nas pernas, braços, pescoço e rosto).

Para não ressecar, embrulhei em um filme plástico enquanto terminava de usar.

creme4
~ Guta ~