Fique rico pagando aluguel

Captura de Tela 2018-05-27 às 21.17.55

Apesar de muitas pessoas falarem que pagar aluguel é jogar dinheiro fora, essa “verdade absoluta” não é tão verdadeira assim.

Ter um imóvel envolve várias questões. Além de ser o sonho de muitos brasileiros, ter um imóvel dá a sensação de segurança, de acolhimento, de poder, de status.

Só que para todo esse discurso de comprar um imóvel próprio, há 2 pontos invisíveis:

1.) Imóvel próprio não é investimento. É um bem de consumo

Quando compramos um imóvel para morar, ele não pode ser considerado como investimento, e sim, como bem de consumo. Muitas pessoas não concordam com esse pensamento, porque já foram induzidas pelas construtoras, pelos bancos, pelas financiadoras, pelas empresas, de que imóvel próprio é investimento, da mesma forma que acreditam que carro é investimento. Como diz Robert Kiyosaki, tudo o que tira dinheiro do nosso bolso, não é um ativo, e sim, um passivo. O mesmo imóvel pode se tornar um ativo, se ele estiver alugado. Um carro pode se tornar um ativo, se ele gerar renda, como por exemplo, para um motorista de Uber.

2.) Imóvel financiado não é seu, é do banco

Apesar do banco insistir que imóvel é um investimento muito bom que você faz para sua vida, na verdade, é uma dívida que você assume para a sua vida (e que gera renda para o banco). Enquanto a pessoa não quitar o apartamento, o imóvel ficará no nome do banco. Fique alguns meses sem pagar o financiamento para ter certeza de quem é o imóvel.

Só para esclarecer, não há certo ou errado, são apenas decisões.

Eu, por exemplo, decidi viver de aluguel e investir a diferença.

Não vou repetir aqui o conteúdo, mas é sabido que já existem vários posts de sites e blogs que provam (em números) que vale a pena viver de aluguel.

Eu já tive um apartamento e pasmem, como dava dor de cabeça. Era reunião do condomínio, infiltração no andar de baixo, infiltração do andar de cima, picuinha de condôminos.

A melhor coisa que eu fiz, foi vender o apartamento e ir morar de aluguel, feliz da vida, livre, leve e solta.

Ter investido o dinheiro do meu imóvel em aplicações rentáveis e morar de aluguel me possibilitou novas escolhas:

  • não estou amarrada em lugar algum, posso simplesmente entregar o apartamento e sair daqui se não gostar mais do bairro ou da cidade, ou até mesmo do país.
  • se eu mudar de emprego, posso facilmente mudar de apartamento, facilitando a minha locomoção. É esse estilo de vida que me permite viver de forma extremamente confortável mesmo não tendo carro, já que moro a 1 quadra do metrô.
  • hoje as minhas filhas moram comigo, então convém morar em um apartamento de 2 dormitórios. Quando elas saírem de casa, talvez a ideia seja morar em um apartamento menor.
  • Não ter um imóvel significa ter mobilidade (mudar de bairro, de cidade) e flexibilidade (morar em um apartamento de 2 dormitórios, depois 1 dormitório), e de quebra como não fico comprando-vendendo-comprando imóveis, economizo em taxas e impostos.
  • invisto o valor do imóvel em aplicações rentáveis, pago o meu aluguel e ainda sobra para reinvestir.

Muitos casais, quando casam, decidem que comprar um imóvel será a melhor decisão. Como pretendem aumentar a família, compram um apartamento grande para a sua necessidade atual, de 3 dormitórios. Só que:

  • é raro encontrar um casal no início de sua juventude ter dinheiro suficiente para comprar um imóvel à vista. Geralmente fazem uma dívida, ou seja, um financiamento de 20, 30 anos.
  • escolhem um local distante do trabalho, já que bairros bons possuem um preço inacessível.
  • a dívida diminui pouco mês a mês, mesmo pagando o boleto em dia. No final, percebe (ou nem percebe) que se somasse os valores de todas as parcelas, teria tido de 2 a 3 imóveis, só não teve porque não teve paciência para esperar.
  • com uma dívida enorme, o casal já virou um escravo pagador de contas.
  • terá medo de perder o emprego, de mudar de emprego por causa da dívida.

Tem gente que fala que só consegue ter um apartamento, se tiver um boleto para pagar. Para essas pessoas, infelizmente, o imóvel custará muito caro. Esse será o preço a pagar pelo descontrole financeiro.

É fato que morar de aluguel é barato (do ponto de vista financeiro). Um apartamento de R$200.000,00 por exemplo, o aluguel sai na média de R$1000,00, variando um pouco para cima ou um pouco para baixo. Eu por exemplo, moro em um apartamento todo reformado, piso laminado, 2 banheiros, vaga de garagem (que eu alugo para meu vizinho) e pago em torno de 0,35% do valor do imóvel.

Tenho um amigo que acabou de comprar um apartamento financiado. Foi uma decisão que ele tomou. Agora ele vai começar a juntar dinheiro do zero. Ou seja, nunca vai sentir a felicidade que sinto de ver o dinheiro multiplicar. Estamos em lados diferentes, ele paga juros, eu recebo juros.

Se um dia ele ficar desempregado, perceberá que o apartamento que ele diz todo orgulhoso que é dele, nunca foi seu. Era do banco.

Viver de aluguel só é vantajoso quando pagamos o aluguel e investimos a diferença.

Há 4 artigos que explicam a questão matemática. Se estiver pensando em comprar um imóvel, leia antes e tome a sua própria decisão:

Como decidir entre comprar ou alugar um imóvel com base em critérios lógicos (Mude.nu)

Alugar imóvel ou comprar financiado (Clube dos Poupadores)

Alugar ou comprar um imóvel (Viagem Lenta)

Comprar ou alugar, eis a questão (Quero Ficar Rico)

~ Yuka ~

Anúncios

10 dicas para multiplicar o dinheiro mais rápido

Captura de Tela 2018-05-27 às 21.08.29

Desde 2010 eu e meu marido começamos a investir pesado, pensando na nossa independência financeira.

De todas as dicas possíveis, há 10 que eu acho extremamente importante para quem tem um objetivo de vida igual ao meu.

1. Não ter posses

Não ter posses me possibilita ser livre: posso ir para qualquer cidade, morar em qualquer bairro.

Não ter posses me possibilita economizar: não tenho apartamento (não preciso reformar, consertar infiltrações), nem carro (IPVA, seguro, gasolina, depreciação), nem moto, ou seja, não tenho gastos.

2. Ser minimalista

Tenho tudo o que preciso. Não preciso ter 20 bolsas, 20 sapatos, 20 calças. Ser minimalista é ter o essencial e eliminar tudo o que não é importante. Ser minimalista me possibilitou viver com o que é importante e não sentir falta do resto.

3. Ser frugal

Apesar de ser muito similar a ser minimalista, há diferenças sutis. Ser frugal é ter a qualidade de poupador, econômico, prudente no uso dos recursos de consumo como alimentos, tempo ou dinheiro, e evitando desperdício, esbanjamento ou extravagância (Wiki).

4. Não se comparar com o outro

Pouco me interessa se o salário de um amigo é maior que o meu, se moram em um bairro melhor, se moram em um apartamento próprio e eu não, se ganham joias no aniversário de casamento e eu chinelo. Prefiro me aposentar mais cedo do que ter 10 anéis de brilhante no meu dedo e ser uma escrava do sistema.

5. Não ter redes sociais

Instagram, Facebook, Snapchat e outros que nem conheço. Me pergunto por qual motivo eu perderia o tempo precioso da minha vida olhando a vida dos outros (muitas vezes que nem é uma vida de verdade)?

6. Aumentar o aporte a cada ano

Mesmo não ganhando aumento anual, mesmo tendo 2 filhas pequenas, mesmo meu marido não tendo emprego fixo, a cada ano, nosso aporte aumenta.

7. Reduzir custos

Esforçar para reduzir custos todos os meses. A todo momento avalio meus gastos para ver se há algum ralo aberto, algum gasto desnecessário. Não sou contra gastar, só gosto de gastar bem o meu dinheiro.

8. Aprender a investir

Estudar. Estudar. Estudar. E estudar mais um pouco.

9. Reinvestir

Reinvestir aluguéis, juros sobre capital, dividendos, rendimentos, restituição do imposto de renda, nota fiscal paulista, Méliuz, qualquer pingo que entrar na conta.

10. Baixe seu padrão de vida

Aprendi cedo a sempre viver abaixo do padrão. Isso significa que eu pinto as paredes do meu apartamento, monto os móveis que compro, faço minhas próprias unhas, instalo cortina, levo marmita para o trabalho, uso transporte público, etc.

Não pensem que eu passo necessidade. Longe disso. Eu não gasto para impressionar outras pessoas. Eu aprendi a reconhecer o que é importante para mim e o que não é.

~ Yuka ~

Faça do seu cartão de crédito um aliado

nubank

Uma leitora perguntou se eu utilizo cartão de crédito.

Sim, uso e gosto muito.

Mas já aviso que cartão de crédito é bom para quem já está com as finanças em dia, para quem já sabe quanto recebe e quanto gasta por mês, ou seja, para quem está com as contas em dia.

Se a pessoa ainda não chegou nessa fase, melhor nem chegar perto de um cartão de crédito, é preciso fazer a lição de casa antes. Caso contrário, poderá contrair uma dívida tão grande por causa dos juros rotativos que será muito difícil sair do vermelho.

DICAS PARA USAR O CARTÃO DE CRÉDITO FORMA EFICIENTE

1.) Anote todos os gastos feitos no cartão de crédito

Eu uso o aplicativo de celular Minhas Economias. Toda vez que eu compro algo no meu cartão de crédito, anoto no aplicativo para não perder o controle. Eu gosto de anotar sempre no dia 30 do mês atual. Por exemplo, se compro algo no dia 2, eu anoto no aplicativo no dia 30. Se compro algo no dia 15, anoto no dia 30. E assim sucessivamente. Desta forma, quando fecha a fatura, sei que todos os gastos do dia 30 refere-se à gastos do cartão de crédito.

2.) Use cartão de crédito sem anuidade

Há diversos cartões sem anuidade disponíveis no mercado. Eu uso o Nubank. A partir de agora, vou falar das vantagens do Nubank, ele é o meu queridinho.

3.) Faça parcelamento das compras sem juros

O Nubank possui esta vantagem: parcelar as compras sem juros e depois permite antecipar o pagamento total no aplicativo. Com isso, ganho de 5 a 7% de desconto em cima do valor total da compra.

4.) Aproveite os pontos do cartão de crédito

O Nubank possui o Nubank Rewards. Paga-se R$170,00 por ano e acumula-se pontos (pontos que nunca expiram). Para quem tem gastos no cartão de crédito acima de R$1.600, compensa. Além de possibilitar apagar (isso mesmo, apagar) gastos como Uber ou Netflix mensalmente, também permite apagar gastos em hotéis e passagens de avião.

5.) Concentre os gastos em um único cartão

Eu e meu marido possuímos o Nubank, mas já combinamos que gastos grandes são feitos no meu cartão de crédito para acelerar o acúmulo dos pontos.

6.) Aproveite os combos Meliuz + Nubank Rewards

O Meliuz é um site que tem sistema cashback, ou seja, devolvem uma parte do dinheiro gasto. Por exemplo, comprei uma bicicleta para a minha filha, paguei R$200 no Ponto Frio pelo Meliuz. Ele me retornará 5% do valor gasto. Faço o pagamento utilizando meu Nubank, e como o Ponto Frio me permite dividir em até 12x sem juros, faço o parcelamento. Depois entro no Nubank e antecipo todas as parcelas, ganhando mais 5 a 7% de desconto. Então na verdade a bicicleta não custou R$200. Custou R$176. Nada mal.

Com isso já deu para perceber que eu concentro todos os meus gastos no cartão de crédito, desde compras pequenas de padaria e docerias até compras grandes de móveis e eletrodomésticos.

~ Yuka ~

Seu dinheiro está dormindo? Acorde-o e coloque para trabalhar

Com a inflação em alta, o nosso dinheiro tem valido cada vez menos. Uma forma de contornar essa situação é fechar a torneira para conter desperdícios.

Eu andei fazendo uma análise da minha situação para ver se tinha algum dinheiro dormindo em casa e descobri o seguinte:

ALIMENTAÇÃO

Desperdiçar comida é a mesma coisa que rasgar dinheiro. Uma das formas para não desperdiçar comida é esvaziar bem a despensa antes de repor os estoques. Na prática funciona assim:

1ª semana: despensa cheia, geladeira cheia: receitas diferentes para o jantar.

Captura de Tela 2017-10-20 às 22.14.03

2ª e 3ª semana: despensa em uso, repondo alguns produtos da geladeira principalmente verduras, frutas e legumes

4ª semana: é a semana da criatividade. É nesta semana que o desperdício é eliminado utilizando tudo o que temos na despensa e geladeira, antes de fazer uma nova compra do mês no supermercado. Por exemplo: se não tiver ovo nem farinha de rosca para empanar um bife, uso maionese e queijo ralado. Se não tiver carne suficiente para todos, eu faço espetinho de carne com bastante legumes.

Captura de Tela 2017-10-20 às 22.14.12

SUPERMERCADO

Ignorar a comparação dos preços dos produtos em supermercados diferentes pode fazer uma diferença considerável no fim do mês. Por várias vezes vi preços de produtos que dobravam de valor nos supermercados pesquisados.

INTERNET

De tempos em tempos eu costumo entrar no site da empresa que comercializa planos de internet. Na última vez, percebi que havia um plano de 15MB sendo comercializado por um valor menor do que o meu plano, que era de 10MB. Liguei no 0800 e solicitei a alteração do meu plano. Além de pagar mais barato, a velocidade da minha internet melhorou.

MOEDAS INTERNACIONAIS

Quando voltamos de viagens internacionais, meu marido tem o costume de guardar as notas (para uma nova eventual viagem) ao invés de trocar por Real nas casas de câmbio. E eu percebi que tínhamos euro, dólar americano e dólar canadense guardados na gaveta há anos. Como não temos previsão para viajar, eu vendi.

OBJETOS EM DESUSO

Eu costumava comprar muitos livros quando era mais nova. Mas conforme os livros foram ocupando um espaço considerável da casa, eu passei a comprar livros digitais. Atualmente, a maioria dos meus livros já estão no formato digital, então não via mais sentido em ver meus livros pegando poeira nas estantes. Um ótimo jeito de desapegar das coisas é na OLX. Eu já vendi bicicleta, cabeceira de cama, aspirador de pó, livros…

ÁGUA E LUZ

Passei a dar banho na minha filha de chuveiro ao invés de encher a banheira. O tempo do chuveiro ligado reduziu e consequentemente a conta de luz abaixou.

São pequenos exemplos de como podemos economizar fazendo uma simples análise das nossas atitudes do dia-a-dia.

E você? Tem dinheiro dormindo por aí? Já pensou em acordá-lo?

– Yuka –

Minimalismo nas finanças

casamento finanças

Devo estar nostálgica… É o terceiro post seguido que comento sobre meu ex-marido.

Mas é por uma boa causa, vou explicar como a gente se organizava financeiramente.

Quando casei pela primeira vez, por uma sugestão minha, eu e meu ex-marido dividíamos as contas de uma forma muito democrática. Ele ganhava 60% dos nossos rendimentos somados, e eu 40%. Ele pagava 60% das contas e eu pagava 40%.

Só que com o tempo, parecia que morávamos em uma república, já que tudo era muito meticulosamente dividido. Conheço muitos casais que dão certo fazendo isso, mas para mim, não deu muito certo.

Já com o meu atual marido, decidi fazer diferente.

Meu marido é muito econômico, daqueles que anda 20 km de bicicleta, para na frente da sorveteria pingando de suor, passa vontade, mas não compra o sorvete. Quando fico sabendo dessas histórias, eu sempre pergunto o motivo dele não ter comprado. “Compra! Não passe vontade!” E a resposta dele é que como ele passou necessidade financeira durante muitos anos, acabou se acostumando a não comprar, diz que nem percebe quando tem esses comportamentos de racionamento.

Por ele ser assim (mãozinha fechada), as nossas finanças são organizadas de uma forma muito fácil.

1.) Soma-se nossos salários.

2.) Paga-se todas as contas.

3.) Cada um pega uma parte (chamamos carinhosamente de mesada).

4.) Poupamos o restante.

Eu sou CLT, meu marido não tem carteira assinada. Eu recebo vale alimentação, vale refeição, 13º salário, adiantamento de férias. Ele não. Mas aqui em casa a regra é: quando entra dinheiro na conta de um, o dinheiro vira nosso.

Não temos competição, nem orgulho de quem ganha mais que quem. Hoje meu salário pode ser maior que o dele, amanhã, o salário dele pode ser maior que o meu. Tanto faz.

Como tudo é “nosso”, nos empenhamos em economizar juntos, porque a economia de um, vira a economia dos dois. Quando um quer gastar em algo mais caro, sentamos ao redor da mesa e conversamos sobre prioridades.

Não recomendo esse tipo de divisão para todos os casais, pois há casais em que um gasta mais, ou que tem um hobby mais caro.

Para mim e para o meu marido, tem funcionado muito bem.

Sentimos mais cumplicidade, pois um acaba policiando o outro nos gastos, nos esforçamos para alcançar as metas de uma forma mais rápida, além de termos mais clareza e transparência nos gastos.

E se um ficar desempregado? Tudo bem, acontece. E se um ganhar mais que o outro? Que legal, parabéns, alcançaremos a nossa meta mais rápido. E assim vamos levando a vida de uma forma leve.

Aqui em casa até as finanças se tornou minimalista.

~ Yuka ~

A vida sem carro (e com 2 filhas)

sem carro

Para uma família de classe média que mora em São Paulo e que tem 2 filhas, não ter um carro pode ser um ponto fora da curva.

Antes mesmo de eu ser mãe, muitas pessoas estranhavam o fato de não ter um carro.

Quando fiquei grávida da minha primeira filha, me perguntavam: “agora vocês vão comprar um carro, nééé?” E lembro de ter respondido que eu compraria sim, se sentisse necessidade. E a vida prosseguiu sem sentirmos essa necessidade de ter um carro.

Logo depois, engravidei de novo. E de novo, ouvia o mesmo tipo de comentário: “um filho até que vai, mas com dois, vocês PRECISAM ter um carro!”

Então decidi mostrar um pouco neste post, como é a nossa rotina e logística sem carro:

1.) more perto de metrô

A escolha de morar em um apartamento perto de metrô (a menos de 100 metros) foi fundamental para que eu continuasse sem carro. O aluguel é mais caro? Sim, mas sai mais barato do que manter um carro.

2.) programe as atividades pela proximidade do metrô 

Todas as atividades principais da família são programadas pela proximidade do metrô. A creche fica a 3 estações, a casa da minha mãe fica a 2 estações, o meu trabalho é praticamente grudado no metrô, o pediatra fica a algumas estações etc.

3.) tenha supermercados por perto

Como isso é importante! Perto de casa há 3 supermercados (um grande e dois mini-mercados) e isso faz muita diferença na praticidade do dia-a-dia.

4.) tenha farmácia por perto

É muito importante ter farmácias por perto principalmente quando se tem criança pequena. Há uma farmácia de bairro a 1 quadra de casa e uma farmácia 24 horas a 3 quadras de distância.

5.) faça compras grandes pela internet 

Eu faço todas as compras grandes (e pesadas) pela internet: pacotes de fraldas, móveis, eletroportáteis, etc. Se uma determinada loja não tiver vendas online, eu vou até a loja de metrô/ônibus e volto de táxi.

6.) agende médicos pela proximidade de sua casa

Médicos, pediatras e exames laboratoriais: escolho pela localização do consultório/laboratório. Em dias de chuvas fortes, até pego um táxi, mas acaba não custando mais que 10 reais.

7.) organize passeios com antecedência 

Quando vamos passear, costumamos ir de metrô até o mais próximo possível do lugar e o restante do percurso pegamos táxi. Carregamos na mochila as fraldas, roupa extra, etc. Assim ficamos com as duas mãos livres para sair correndo atrás das crianças. Temos sempre um plano A e um plano B, se fizer sol, vamos para tal lugar, se chover, vamos para outro lugar. Assim, não nos frustramos com as condições climáticas.

8.) more perto do trabalho 

Meu marido vai de bike; e eu, de metrô. Nos 30 minutos que estou dentro do vagão, aproveito para ler livros e estudar.

9.) planeje viagens com antecedência 

Minha sogra mora bem longe de São Paulo e podemos ir de ônibus (10 horas de viagem) ou de avião (1 hora de viagem). Como sempre pesquiso voos promocionais com antecedência, acabo pagando quase o mesmo valor da passagem de ônibus.

É isso.

Acho que já devo ter comentado em algum post que eu já tive carro há mais de 10 anos e que ‘comia’ uma boa parte do orçamento. Quando fiquei sem carro, foi muito-muito-muito difícil pra mim. Foi árduo esperar no ponto de ônibus embaixo de sol e de chuva, sentia muito cansaço no sobe e desce do ônibus, ter que andar quarteirões, me equilibrar no ônibus e no metrô com uma bolsa grande, mas tudo é uma questão de costume. E hoje eu já me acostumei. Tenho a plena consciência de que não ter carro é o que me permite continuar investindo todos os meses, além de possibilitar horas de leitura dos meus livros preferidos.

– Yuka –

19 pequenas atitudes para economizar na alimentação

supermercado

Se há alguns anos era possível fazer uma compra semanal por R$50,00, hoje esse valor não enche nem uma geladeira.

Para tentar manter a mesma quantidade e qualidade dos itens que compro, comecei a tomar algumas atitudes para não apertar tanto o orçamento:

1.) Eu basicamente faço 1 compra grande no início do mês. É quando reponho a minha despensa com farinha, açúcar, arroz, feijão… Para isso, eu comparo preços em 2 supermercados perto de casa. A diferença de preço às vezes é assustadora, já percebi que não há um padrão, às vezes o requeijão pode estar barato no mercado x, e na outra semana, o mesmo requeijão estar barato no mercado y. Como o supermercado é caminho para mim, eu entro, anoto os preços e já vou para o segundo. Compro tudo o que está mais barato, e na volta passo no outro supermercado para comprar o restante dos itens. Às vezes o produto pode custar até 100% mais caro como foi o caso da essência de baunilha. Em um custando R$4,50 e no outro inacreditáveis R$8,50.

2.) Para as compras semanais (verduras e frutas), eu prefiro ir na feira. Além de achar os produtos de melhor qualidade, consigo preço melhor.

3.) Antes de ir no supermercado ou feira, gosto de olhar o que tem na geladeira para não comprar coisas duplicadas.

4.) Compro legumes e frutas da estação. Além de estarem mais saborosas, o preço é mais atrativo.

5.) Meu marido recebe pelo e-mails as promoções da semana dos supermercados próximo de casa. Sempre conseguimos promoções que valem muito a pena.

6.) Quando há aquelas promoções imperdíveis, fazemos estoque de produtos como leite em caixa, sabonete, papel higiênico.

7.) Alguns supermercados mandam cupons pelo correio. Quando recebo, tomo cuidado para não passar da validade da promoção.

8.) Eu separo os lugares onde faço as compras: frutas e verduras na feira, carnes no açougue e o restante no supermercado.

9.) Compro somente o necessário para o consumo da semana para evitar desperdício.

10.) Tento jogar o mínimo de comida no lixo. Misturo talos de espinafre na massa da panqueca, sementes de tomate no molho de tomate, sementes de abóbora viram petiscos assados, uso quase tudo com casca (cenoura, batata, etc).

11.) Não ter preconceito das marcas próprias do supermercado. Perto de casa tem um supermercado Dia que eu vou com frequência. Sabia que o leite de coco do supermercado Dia é produzido pela Sococo? Que o “nutella” do Dia é produzido pela mesma empresa italiana Nutkao que produz para a marca francesa Casino? Que o chocolate amargo do Dia é importado da França? Que o chocolate em pó do Dia é melhor que o chocolate “do padre” da Nestlé (e o preço é 55% menor)? Pois é.

Chocolate em pó solúvel: Dia (R$5,00) vs Nestlé (R$13,80)

chocolate em pó

Leite de coco: Dia (R$3,00) vs Sococo (R$4,80)

leite de coco sococo

leite de coco Dia

Chocolate em barra: Dia (R$5,00) vs Casino (R$9,80)

chocolate Dia

chocolate Casino

Creme de avelã (nutella): Dia (R$7,00) vs Casino (R$16,00)

nutella casino

nutella dia

12.) Logo que saio do mercado, já confiro os preços na nota fiscal. Já peguei muitos preços principalmente da promoção, com preço sem desconto. Peço para estornar meu dinheiro. Por incrível que pareça, isso é muito-muito-muito recorrente. Outro dia comprei um iogurte por R$3,99, mas passou por R$6,50 no caixa, mais de 60% de diferença no preço.

13.) O freezer é o meu amigo (e o forno também rs). Se a fruta está amadurecendo rápido, faço um sorbet. Se percebo que não dou conta de comer todo o queijo e presunto, congelo para depois usar em algum outro prato. Eu ralo queijo e congelo. Aproveito para congelar o soro do iogurte para hidratar o feijão, guardo caldo de frango, peixe e carne para fazer ensopados. Quando compro temperos frescos como salsinha, cebolinha, alecrim e tomilho, eu já lavo, seco, pico e congelo. Assim não desperdiço nada.

14.) Reaproveito a receita de um prato para fazer novos pratos. Almôndegas vira recheio de panqueca. Molho branco vira recheio de batata assada.

15.) Levo marmita para o trabalho ao invés de comer na rua.

16.) A cada dia, me esforço para aprender a cozinhar mais… eu faço iogurte grego, minhas queridas granolas, meu amado pão, pretzels, os deliciosos cookies, esfiha, batata rosti, etc.

17.) Se faço pão, aproveito para usar todo o fermento biológico, e asso 2 pães de uma vez. Além de evitar que o fermento estrague, economizo no gás, já que asso os 2 de uma vez.

18.) Analiso o preço dos pacotes dos produtos usando como referências as gramas. Por exemplo: eu comprava caixa de chá preto de 25g que contém 15 saquinhos por R$4,50. Mas passei a comprar um pacote de chá preto de 300g que não vem em saquinhos por  R$5,50. Ou seja, antes eu pagava R$4,50 por 25g, hoje pago R$0,45.

19.) No fim do mês, tento cozinhar usando tudo o que tiver na geladeira, usando a criatividade. É uma forma de limpar a despensa e a geladeira.

Essas foram as dicas que eu uso aqui em casa. Espero que tenham gostado.

~ Yuka ~