Minha vida frugal, de volta ao passado…

vida frugal

Às vezes, tenho a sensação de que nasci na época errada. Às vezes, tenho a sensação de que estou voltando ao passado.

Enquanto muitas famílias pedem comida fast-food na sexta-feira à noite, aqui em casa geralmente rola uma comida caseira, como um hambúrguer caseiro com batatas fritas rústicas.

A minha casa tem sempre cheirinho de comida. Cheiro de pão caseiro saindo do forno, um bolo fofinho, uma assadeira cheia de suspiros…

O forno funciona praticamente todos os dias: são cookies, brownies, bolos, batatas recheadas, tomate confit, castanhas e amendoins torrados, sempre tem alguma coisa no forno, e na porta do forno, um pano de prato úmido para aproveitar o calor.

Faço o meu próprio iogurte grego, a granola, pão, molho de tomate, caldo de galinha, biscoito, bolo…

Faço sabão em barra, produtos de limpeza, costuro e sei fazer pequenos consertos.

Faço comida todos os dias e ainda levo marmita ao trabalho.

Estou tentando produzir meus próprios queijos.

Se tenho um tempo sobrando, faço massas de cookies para deixar congelado. Assim, quando recebo visitas, geralmente elas são mimadas com uma fornada de cookies quentinhos.

É como se eu voltasse a viver os tempos dos avós.

Para muitas pessoas, devo viver uma vida sem graça.

Para mim, vivo tentando desacelerar e descobrir as pequenas alegrias do dia a dia.

E querem saber? É uma delícia viver assim.

– Yuka –

Se tivesse mais tempo livre…

tempo-livre

Esse é um ótimo exercício para verificar se estamos no caminho certo (entenda como caminho que queremos percorrer, não o caminho que – os outros – querem que percorramos).

Se eu tivesse mais tempo…

… eu cuidaria mais do meu corpo: comeria melhor, cozinharia comidas diferentes para aguçar meu paladar, faria exercícios físicos, porque eu só tenho este corpo e ele merece ser tratado com mais carinho e respeito.

… eu iria passear e observar mais: conheceria mais lugares novos, sentaria em uma cafeteria do lado de fora para ficar observando a rua e as pessoas.

… eu viajaria mais: para conhecer outras culturas, outros tons de pele, iria gostar de conversar com pessoas desconhecidas, descobrir que existem várias realidades paralelas e que a minha realidade não é a única existente.

… eu aprenderia um instrumento musical, pode ser piano ou violino, ou os dois, ouviria mais música clássica, que é o que aquece meu coração.

… eu encontraria mais os amigos, passaria mais tempo com eles, pois são os irmãos de alma que eu escolhi.

… eu tentaria descobrir mais coisas que amo, fazendo atividades nunca feitas, trabalhos novos, com o intuito de descobrir o que gosto e o que não gosto.

… eu faria mais trabalhos manuais como costura, marcenaria, pintura, reforma, pra poder ajudar mais pessoas necessitadas.

E depois de escrever tudo isso, surge uma pergunta/dúvida:

– E porque eu não faço essas coisas hoje? Falta de tempo? Falta de dinheiro? Falta de disposição?

Tem uma entrevista que o Mário Sérgio Cortella disse que “tempo é uma questão de prioridade”. Ou seja, quando a gente fala que não tem tempo, é porque aquilo não é prioridade na nossa vida.

Vamos ser sinceros… É um belo tapa na nossa cara.

Parece que a gente mal tem tempo para pensar o que é nossa prioridade, onde queremos gastar o nosso tempo.

Aliás, onde queremos “ganhar” o nosso tempo? Quais são as verdadeiras prioridades?

Eu e meu marido temos pensado muito sobre quais prioridades que queremos valorizar. 

Mais brincadeiras com as filhas, sim.

Mais faxina, não. 

Mais filmes, cinema, Netflix, sim.

Mais televisão, não.

Mais tempo para passear, sim.

E assim por diante.

~ Yuka ~

 

 

Detox digital, corporal e mental… destralhando e desacelerando (parte 2)

DETOX DIGITAL

No fim do mês de março, eu publiquei um post de desabafo sobre a estafa que estava sentindo por causa do excesso de informação ao meu redor.

E ao começar a montar o plano para iniciar o meu detox digital, percebi que o que eu queria não era somente um detox digital.

Eu compreendi que eu não quero simplesmente reduzir a internet. Eu quero utilizar meu tempo de uma forma melhor, desempenhando menos atividades, só que com mais afinco, com mais prazer, ao invés de fazer as coisas com pressa.

Percebi que o detox tem que ser geral.

O detox é corporal (para cozinhar com prazer, me alimentar melhor), mental (para ter tempo para pensar e também ter tempo para não fazer nada), desacelerar e destralhar.

Então criei mini-tarefas para facilitar a execução destas metas:

META 1 (menos tempo na internet): Ao invés de acompanhar os diversos sites e ler rapidamente os textos, comecei a acompanhar SOMENTE aqueles que agregam valor para mim.

  • YouTube: mantive somente os canais que gosto muito
  • Newsify (gerenciador de sites): mantive somente sites e blogs que me dá prazer na leitura
  • WhatsApp: silenciei grupos grandes
  • Celular: desativei alertas e notificações dos aplicativos
  • Kindle: passei a ler mais livros como uma forma de ficar desconectada da internet por mais tempo

META 2 (destralhar): Passei a rever melhor os itens que possuo em casa para conviver somente com itens que gosto e que são essenciais para mim. Ter menos objetos significa ter menos trabalho para manter e preocupar. Para isso passei a usar o Evernote para administrar meus papéis. Escaneei todos os meus comprovantes de pagamento, recibos, notas fiscais, manuais de instruções, exames médicos, declaração do imposto de renda e eliminei os papéis.

META 3 (alimentar o corpo): Entendi que meu corpo é um bem precioso. Sem ele, não posso cuidar das minhas filhas, não posso trabalhar, nem fazer coisas que gosto. Sei da importância do sono, da alimentação e do exercício físico. Mas ainda sou preguiçosa, por isso comecei devagar, com pequenas caminhadas.

META 4 (desacelerar): Fazer as coisas mais devagar, procurar fazer as coisas prestando atenção. Uma coisa que foi importante para mim, foi criar uma lista chamada “Talvez / Um dia desses” no meu celular (assisti no Arata Academy). Essa lista tem o intuito de esvaziar a cabeça das obrigações que não são emergenciais. Isso fez desafogar a minha lista de tarefas e consequentemente a sensação de cobrança que eu tinha comigo mesma.

META 5 (alimentar a mente): Encontrar com mais frequência os amigos, fazer mais artesanatos, estudar. Ou seja, alimentar a alma e a mente..

São essas 5 metas que estou seguindo no momento.

~ Yuka ~

A vida é longa para quem consegue viver pequenas felicidades

girassol

Sempre ouvimos que temos que aproveitar cada minuto da nossa vida, pois a vida é curta. Inclusive, li outro dia na internet de que os dias são longos, mas os anos, curtos.

Concordo na parte de que temos que aproveitar cada minuto da vida, mas você já parou para pensar como a vida é longa?

A vida sempre deu e continua dando chance para recomeços.

Eu comecei e terminei relacionamentos, troquei de empregos, mudei hábitos, passei a entender melhor algumas pessoas, comecei a compreender meus medos, minhas angústias, minhas inseguranças, passei a acolher meus defeitos e a me orgulhar dos meus feitos.

A vida é um eterno recomeço. Todos os dias ao acordar, eu sei que tenho a chance de mudar alguma coisa da minha vida. 

Quantas pessoas você conhece que já recomeçou?

Eu conheço muitas. Pessoas que correm atrás dos sonhos. Lutam pelo que acredita. Tropeçam e levantam inúmeras vezes sem medo de serem julgadas.

Eu quero ser daquelas pessoas que ao olhar para trás, tenha orgulho dos vários recomeços. Dos vários tropeços. Das diversas conquistas.

O tempo, diferentemente do dinheiro, não pode ser poupado para ser usado depois. Ou usa-se, ou perde-se.

“Você só vive uma vez, mas se viver direito, uma vez é suficiente.” – Mae West

Sempre que falo sobre tempo, lembro do comercial do cartão Visa que passou no final de 2003. Faz 14 anos que esse comercial passou na televisão, mas continua presente na minha memória:

“Dizem que a vida é curta, mas isso não é verdade.

A vida é longa para quem consegue viver pequenas felicidades.

E essa tal felicidade anda por aí, disfarçada, como uma criança traquina brincando de esconde-esconde.

Infelizmente, às vezes não percebemos isso e passamos nossa existência colecionando nãos: a viagem que não fizemos, o presente que não demos, a festa que não fomos, o amor que não vivemos, o perfume que não sentimos.

A vida é mais emocionante quando se é ator e não espectador; quando se é piloto e não passageiro, pássaro e não paisagem, cavaleiro e não montaria.

E como ela é feita de instantes, não pode nem deve ser medida em anos ou meses, mas em minutos e segundos…

Porque a vida é agora.”

~ Yuka ~

Detox digital: o início (parte 1)

detox-digital

Em primeiro lugar, tenho uma notícia maravilhosa: minha filha nasceu. Nasceu de parto normal, saudável, linda e calma (pelo menos por enquanto rs). E junto com o nascimento dela, veio a tão esperada licença-maternidade que vai me ajudar a levar esse projeto de fazer o detox digital adiante.

Há 15 dias, eu tive de me afastar do trabalho para repousar, pois corria sério risco de ter um parto prematuro. Apesar de soar estranho, foi muito difícil ficar deitada o dia todo. Minha cabeça fervilhava a mil por hora, só que meu corpo estava em repouso absoluto. E isso gerou uma onda de ansiedade nunca experimentada por mim. Apesar de estar deitada, percebi que não estava presente, não estava conseguindo aproveitar o repouso, pois ficava com a sensação de que estava perdendo tempo.

Faz alguns meses que sinto uma certa ansiedade e estafa (será esta a palavra mais adequada?) de ver tantas notícias a todo momento e sempre ter o que fazer.

Sinto uma pressão (que não vem de ninguém, vem de mim mesmo) em acompanhar os sites de notícias, de fofocas, das melhores receitas culinárias, dos melhores blogs, dos melhores vídeos etc.

E com todo esse excesso a única palavra que vem na minha cabeça é essa: estafa.

Me sinto saturada de ler muito, em acompanhar as notícias, ver tantas informações transbordando em sites, mas se não leio, dá uma sensação de que estou perdendo algo… Alguém já sentiu algo parecido com isso?

Eu sei o que estou passando. É overdose de informação. É isso acaba trazendo ansiedade, bate aquela preocupação de não ter tempo para acompanhar tudo que é “importante”.

A televisão (teoricamente) faz com que você seja um ouvinte passivo. Ou seja, a televisão escolhe o que você vai ouvir, o que você vai ver nas propagandas.

A internet já é ao contrário. Você vai atrás das informações, das notícias que você quer ver. E se não tomar cuidado, acontece uma overdose…

Eu sou uma pessoa muito curiosa. Gosto de procurar vídeos de como se produz algodão-doce, como foi construída a pirâmide do Egito, de descobrir como as abelhas constroem favos em hexágono, como é feito um lápis, de que forma é feito um batom, enfim, coloque muita imaginação, que estou sempre procurando na internet uma resposta.

A causa desse excesso é a falta de controle e disciplina da minha parte. Por isso decidi fazer um detox digital que nada mais é do que me livrar dos excessos informacionais.

Eu não tenho a intenção de me desligar completamente da internet, afinal a internet me conecta a este blog e também é de onde me atualizo com as notícias do mundo.

Eu vou nos lugares e observo que as pessoas estão tão grudadas na tela do smartphone que não percebem o que está acontecendo ao seu redor.

No metrô, não percebem um senhorzinho de cabelo branco mal conseguindo ficar em pé… Não percebem uma grávida com um barrigão de 9 meses, não cedem os assentos… não por má vontade, mas simplesmente porque estão conectados na internet, mas desconectados da vida real.

Em restaurantes, vejo casais sentados juntos, mas separados na alma, cada um com seu smartphone. Um falando pelo WhatsApp e a outra pessoa jogando Candy Crush.

Olhando essas cenas, tive a certeza de que não quero entrar nesta estatística.

Nos próximos posts vou descrever melhor de que forma está caminhando o meu detox digital.

~ Yuka ~

Fazer 2017 acontecer… A diferença entre Sonho e Meta!

ano-novo

Primeiro post do ano! Feliz 2017 para todos que acompanham este blog.

Vocês já sabem quais são as suas metas para o ano de 2017? Ou a meta da sua vida?

Para este ano, a minha meta é fazer um detox digital. Ou seja, basicamente eu quero desacelerar mais, acessar menos conteúdo de internet, estar mais presente.

Também quero continuar na minha caminhada do auto-conhecimento, do desapego material, de continuar com o estilo de vida minimalista, de viver com pouco, de ser feliz com o que eu já tenho. Engraçado que eu percebi que eu não tenho mais muitos desejos como antes. Eu tenho muitos sentimentos de gratidão por tudo o que eu já conquistei e das coisas que eu quero manter: manter meu casamento saudável, manter minhas filhas felizes, manter a minha saúde física, mental e financeira, manter os meus amigos, ser grata pelas coisas que possuo…

Continuando com o título do Post de hoje, acho importante saber diferenciar entre sonhos e metas.

Quantas pessoas vocês conhecem que comentam:

“Eu sonho um dia fazer um ano sabático”

“Eu quero um dia passar num concurso público”

Legal! Mas o que diferencia entre a pessoa que alcança esses sonhos e a pessoa que fica permanentemente sonhando é justamente a diretriz que ela dá para esses projetos, desmembrada em várias atividades (ações), com prazo etc.

Não basta querer fazer um ano sabático. Tem que saber quais são as tarefas que precisam ser feitas para que você consiga realizar este sonho. Um sonho, quando desmembrado em várias tarefas pequenas, é muito mais fácil de se tornar real.

Para fazer um ano sabático, por exemplo, você precisaria saber o objetivo de fazer um ano sabático. Será um ano de redescoberta? Do autoconhecimento? De conhecer pessoas novas? Estudar? Viajar? Para onde quer ir? Quais lugares? Quanto gastaria por dia? E no transporte, alimentação, hospedagem? Quem iria com você? Precisa tirar passaporte? Se sim, quanto custa? Dependendo do país que for viajar, precisa tirar visto? Já tem o dinheiro suficiente? Quanto precisa poupar por mês? Onde você pretende economizar para conseguir este dinheiro? Em quanto tempo? Se tem carteira assinada no trabalho, como pretende fazer para poder ficar 1 ano sem trabalhar?…

Geralmente 1 meta pode ser desmembrada em 30, 50, 100 tarefas, no estilo checklist. Quando você terminar de riscar o último item do seu checklist, será a hora em que seu Sonho virará Realidade.

Tente e depois me conte.

E quais são as suas metas para 2017?

~Yuka ~

Hotel Day Use em São Paulo

captura-de-tela-2016-11-30-as-18-19-13

Desde que minha filha completou 1 ano, eu tenho tido muita vontade de viajar, mas logo descobri estar grávida do segundo filho (aliás, é meninaaaa!!!!) e optei por não sair de São Paulo até a data do parto pelo medo da Zika Vírus.

Ao mesmo tempo, sentia uma necessidade de viajar para descansar, antes da minha segunda filha nascer.

Como surgiu um dia de folga no trabalho, resolvemos experimentar o Day Use de um hotel.

Basicamente, você pode usar toda a infraestrutura disponível do hotel, como piscina, sauna, quadras de esportes, academia por um preço mais em conta. Há opções, inclusive, de hospedagem.

Quando liguei no hotel para perguntar como funcionava este serviço, a atendente me falou para entrar no site do Hotel Quando, pois nesse site, seria possível fazer a reserva do quarto por horas (3 horas, 6 horas, 9 horas, 12 horas), ficando mais barato para a nossa necessidade.

Eu reservei das 9h às 15h, num total de 6 horas.

Chegamos no hotel às 9h, e aproveitamos para tomar um belo de um café da manhã no hotel, descansamos bastante, esticamos nossas pernas na cobertura onde havia piscina, e almoçamos bem (café-da-manhã e almoço não estavam inclusos). O tempo passou bem rápido, mas foi muito gostoso. Meu marido que no início estava todo receoso, no final adorou. Até falou que deveríamos ir pelo menos mais duas vezes antes da bebê nascer.

Nós tínhamos a opção de descansar em casa, claro. Mas se ficássemos em casa, acabaríamos lavando roupa, limpando a casa, navegar na internet e perderíamos a oportunidade de descansar pra valer.

Então para vocês que querem descansar, mas não dá tempo para sair da cidade, há uma opção: utilizar os serviços de um Hotel Day Use.

~ Yuka ~