Tchau! A vantagem de desapegar

desapego

Um dos maiores benefícios de viver uma vida de desapego é a possibilidade de nos livrar de sentimentos de responsabilidades que o acúmulo de coisas nos traz, ao ter que cuidar e manter coisas que nem usamos.

Ter uma casa abarrotada com objetos sem uso nos faz ter inúmeras preocupações como: o custo de uma casa de um tamanho razoável para manter e acomodar todos os nossos pertences sem uso, a manutenção das coisas desde tirar poeira, limpar, até consertar alguns eletrodomésticos e portáteis que nem são assim tão importantes. Veja um exemplo simples: se resolvo cozinhar um milho, vou até a cozinha, abro a porta do armário e já fico desanimada quando percebo que para tirar a panela de pressão, preciso tirar da frente a sorveteira, o mixer e as 5 frigideiras. Não seria muito mais fácil se com um único movimento conseguisse tirar a panela de pressão?

Outro exemplo que gosto de usar é em relação aos amigos. Temos diversos colegas que queremos chamar de amigos. Mas isso faz com que não consigamos dar a atenção devida para os nossos verdadeiros amigos. Como dispor de tempo para aquele amigo que precisa da nossa atenção, se toda semana surgem 4, 5 convites para passear? Alguém precisa ficar de fora. Será que esse alguém não está sendo justamente aquele amigo que precisava de nós?

As pessoas com as quais se importam verdadeiramente conosco, não se importam se andamos numa BMW ou de bicicleta. Se moramos em uma mansão ou em uma casa alugada. Se temos um emprego dos sonhos ou um emprego que nos faz feliz.

As pessoas que realmente se importam conosco só querem uma coisa: que sejamos felizes.

Enquanto muitas pessoas carregam dentro da bolsa o celular de última geração, andam com as roupas da moda, possuem carros caros e eletrônicos sofisticados, eu e meu marido viajávamos pelo mundo para conhecer as ilhas da Grécia, Nova York, Amsterdam, Paris, Vancouver, Japão, além de conhecer praticamente todos os Estados do Brasil…

Sabíamos exatamente o que nos deixava felizes. Não era o status social, tanto que pouquíssimas pessoas sabem que eu já viajei tanto. Não há fotos publicadas em lugar nenhum.

Também não viajamos para comprar coisas, eletrônicos, roupas. Viajamos para conhecer os lugares e saborear a comida. Para se ter uma ideia, a única coisa que eu trouxe de Amsterdam foi 1 cadeado para bicicleta. Só.

Não temos dívidas, não temos prestações do financiamento da casa, não precisamos nos preocupar com o seguro do carro, nem de abastecer ou calibrar os pneus. Também não preciso me lembrar de comprar presentes para o meu marido em datas festivas. Todas essas coisas que não preciso fazer, vai esvaziando a mente e liberando espaço para as coisas importantes da vida.

Quando converso com algumas pessoas, muitas delas acabam falando que se não morassem tão longe, também deixariam de ter um carro. Se não fossem pelos filhos, também morariam de aluguel. Se não fosse pela escola pública ser tão ruim, também optariam por uma. Se tivesse mais dinheiro, também moraria num bairro melhor. Se se se se…..

Não se iluda, viver com desapego é ao invés de usar o SE, usar o APESAR DE.

APESAR de morar longe, ir de transporte público por não querer ter um carro e aproveitar esse momento para ler algo prazeroso, e ainda conseguir usar parte do dinheiro economizado em viagens. APESAR dos julgamentos externos, morar de aluguel e investir toda a diferença em investimentos com bons retornos que traga paz para a família. APESAR da escola não ser boa, optar por uma pública e tentar reunir pais que tenham motivação para melhorar o ensino daquela escola.

Essa é a pequena diferença entre pessoas desapegadas e pessoas que carregam problemas nas costas.

Essa pequena diferença, no fim das contas, se torna a única e a mais notável diferença entre essas pessoas.

~ Yuka ~

Anúncios

Quanto tempo você gasta vivendo a vida dos outros?

tempo

Sejamos sinceros.

Quanto tempo você gasta diariamente vivendo a vida dos outros?

Vivemos a vida dos outros quando navegamos pelo Facebook por horas, sentindo aquela pontinha de inveja inconfessável de como a vida dos outros parece ser mais interessante que a nossa. Quando olhamos as fotos de pessoas perfeitas no Instagram, e também quando criamos diversos álbuns no Pinterest jurando de pés juntos que um dia iremos fazer tudo aquilo.

Ou quando nos inscrevemos e acompanhamos YouTubers que não nos acrescentam tanto como pessoa. Quando assistimos televisão só por assistir. Quando ouvimos aquela sua colega, que nem é sua amiga, lamentando de como a vida dela é triste, infeliz…

Quando a gente faz essas coisas, a vida passa pela tela do celular, pela televisão, pela tela do computador, escorre pelo dedo das nossas mãos…

Agora vou mudar a pergunta:

Quanto tempo da vida você gasta para você?

Os dias estão corridos, eu sei, mas se pararmos para pensar, quanto tempo do dia focamos nas coisas mais importantes da vida? Quantos minutos do dia tiramos para ler os livros favoritos?

Trabalhamos. Limpamos a casa. Fazemos compras no mercado. Ficamos presos no trânsito. Preparamos o jantar. Dormimos pouco… mas não temos tempo para o que é mais importante.

Precisamos pensar o que temos colocado como nossa prioridade.

Precisamos pensar de que forma estamos alimentando a nossa mente, corpo e alma.

Ao invés de olhar o que os outros tem feito de interessante, precisamos prender a atenção em nós mesmos.

Gaste mais tempo com o que é importante: você.

~ Yuka ~

Independência Financeira: o início

Não sei como foram para as pessoas que estão caminhando nesta jornada para a Independência Financeira, mas para mim, tudo começou graças ao minimalismo.

Quando eu estava cansada de tanto excessos, de acompanhar as redes de “mentiras” sociais, eu quis focar em mim, descobrir o que era realmente importante. Tinha passado por um divórcio, que apesar de ter sido de forma amigável, me marcou muito, já que o pedido de divórcio não havia partido de mim.

Queria cuidar melhor de mim, a escolher melhor o que eu queria para a minha vida. Mas afinal, o que eu realmente queria mesmo? Foi difícil partir do zero, descobrir que eu não me conhecia o suficiente.

Foi quando o minimalismo entrou na minha vida.

Passei a escolher melhor o que eu queria. Não sabia por onde começar, então comecei pelo guarda-roupa abarrotado que deu lugar a poucas roupas de qualidade. Uma sapateira abarrotada deu lugar a poucos sapatos, mas confortáveis.

O minimalismo não se resume a roupas, é verdade! Mas não posso negar que o guarda-roupa é um bom lugar para começar a se conhecer melhor.

O conceito máximo do minimalismo é: foque no que é essencial e elimine o resto. Eu realmente passei a fazer isso. Depois de eliminar roupas e sapatos, parti para os objetos de decoração, eletrônicos, cozinha, banheiro… Depois, comecei a me distanciar das pessoas que não me procuravam, das pessoas que me faziam sentir pra baixo, passei a jogar fora alguns sentimentos ruins.

O dinheiro começou a sobrar por 2 causas:

  • Quando parei de me importar com opinião de pessoas que não eram importantes
  • Quando parei de comprar coisas que não tinham valor para mim

Não foi por ter parado de fazer compras que o dinheiro começou a sobrar. Foi porque não sentia mais necessidade de preencher um vazio dentro de mim, fazendo compras sem sentido.

Mujica diz que quando compramos coisas desnecessárias, gasta-se tempo de vida. Pude compreender que o Tempo escorre pelos dedos das nossas mãos quando compramos coisas que não são importantes para nós, já que gastamos tempo de vida para conseguir dinheiro.

Passei a questionar o estilo de vida que nos é imposto: “trabalhe mais, compre mais, mostre para os outros, tome mais remédios, finja que está feliz”.

Eu não conseguia entender como os outros se conformavam de uma forma tão fácil.

Entendi que desde que nascemos, não aprendemos a questionar, então não sabemos como tomar iniciativa. Ao invés disso, aprendemos a reclamar e culpar os outros pelas coisas que não dão certo na nossa vida.

Nesse momento, entrei em uma crise solitária, me sentia sozinha no mundo, comecei a questionar o motivo de termos que trabalhar tanto tempo fora de casa, de termos tão pouco tempo para o lazer…

Por mais que as pessoas dissessem “eu também sinto isso”, não percebia esse desespero por parte dessas pessoas. Para elas, a vida estava ruim, mas estava tudo bem também.

O minimalismo me fez sentir leve como há tempos não sentia. Ao mesmo tempo que eu me sentia livre do consumismo, livre de pessoas negativas, livre para ser eu mesma, eu ainda me sentia presa. Algo me incomodava.

A ficha caiu na minha licença-maternidade. Esse “algo” que me incomodava, é eu não era livre como acreditava ser. Eu não podia acompanhar minha mãe no médico, não podia faltar no trabalho para ficar com minhas filhas nas férias escolares, não podia ficar descansando em casa em dias que eu tinha crise de enxaqueca. Eu era uma escrava do sistema moderno:

escravo-moderno

Pronto, a peça do quebra-cabeça estava completa.

A peça que faltava para que a minha liberdade pudesse ser reconquistada (ou conquistada, já que não sei se um dia já fui livre), foi descobrir o termo Independência Financeira, tão difundido nos EUA (FIRE – Financial Independence Retire Early).

A figura abaixo mostra o que geralmente acontece na nossa vida. Quando jovem, temos tempo e energia, mas não temos dinheiro. Na fase adulta, temos dinheiro e energia, mas não temos tempo. E na terceira idade, temos tempo e dinheiro (alguns nem isso), mas não temos energia.

Tempo Dinheiro Energia

E como podemos ter essas 3 coisas simultaneamente?

Alcançando a independência financeira.

No mundo das finanças, dizemos que uma pessoa alcançou a independência financeira quando esta, tem dinheiro suficiente para viver de renda, ou seja, não possui mais necessidade de trabalhar por dinheiro.

A independência financeira era a peça que faltava para fechar o ciclo de liberdade da minha vida.

  • Minimalismo;
  • Independência Financeira e
  • Liberdade.

~ Yuka ~

Sobre os excessos comportamentais da vida

excessos

Um dos excessos que tem me incomodado, além do consumismo, são os excessos comportamentais.

Na política, vejo muitos colegas que se tornaram “grandes jornalistas e críticos”, com opiniões fortes, muitas vezes intolerantes. Não me importo se é de direita, centro ou esquerda, eu não vejo diferença entre eles em relação ao comportamento extremista. A pergunta que sempre me vem na cabeça é: além do discurso bonito, o que tem feito para mudar este país?

No veganismo, quem come carne, usa sapato e bolsa de couro tornam-se “assassinos”. Se a pessoa ama ou odeia carne, acho importante saber respeitar a opinião do próximo.

No minimalismo vs consumismo, têm pessoas que amam fazer compras, da mesma forma que há as que preferem não comprar nada (mesmo precisando). Cada um sabe as dores do bolso e da alma, já que muitas vezes, o consumismo nada mais é do que a necessidade de preencher um vazio.

Há ainda as altamente fitness. Não comem bolo, não tomam suco com açúcar, trocam a farinha branca pela integral, biomassa de banana, mas não queira que eu mude a minha alimentação.

Tem os religiosos fervorosos. Opinam sobre qual religião devemos ter e se não estivermos alinhados, ouve-se indiretas para tentar nos convencer. Mal sabem que isso só afasta as pessoas.

Há também os workaholics que trabalham 12 horas por dia, e acham que as pessoas que não fazem hora extra, valem menos. Temos vida fora do trabalho.

Tem gente que é viciado em exibir a “vida perfeita” nas redes sociais. Já não importa se é verdade ou mentira. O que importa é parecer feliz.

E tem aquelas pessoas que gostam de palpitar a vida dos outros, de como devemos educar os nossos filhos, como devemos nos comportar como pais. Será que não sabem que cada filho é de um jeito?

Se você faz algo deste tipo, cuidado. A sua verdade pode não ser a verdade para a realidade da outra pessoa. Cada um carrega uma história de vida, e as experiências individuais contam muito.

Tem uma frase que eu carrego comigo:

“Não use a minha verdade como sua verdade, pois viemos de realidades diferentes.”

Isso inclusive, serve para as coisas que escrevo aqui no blog. Aqui, eu compartilho a minha visão e a minha experiência. Tenho certeza que muitas das coisas que faço, não funcionaria na realidade de muita gente. E tá tudo bem.

A compreensão sobre o conceito de ser diferente, deveria ser abordada com mais frequência. Eu mesma mudo de opinião a todo momento, o que era bom hoje, amanhã pode não ser o suficiente. Às vezes, leio um livro, e me pego pensativa, de como eu pensava diferente sobre um determinado assunto.

Ser diferente é uma característica natural do ser humano, e não invadir a realidade e experiência do outro, é um exercício diário que devemos e podemos praticar e aprimorar.

Que tenhamos sabedoria e gentileza em não colocar a nossa verdade como uma verdade universal.

~ Yuka ~

A arte de viver o sonho dos outros

Captura de Tela 2018-07-04 às 17.39.11

Desde que nascemos, somos orientados a copiar os outros. Na forma de falar, na forma de expressar, na forma de vestir, na forma de comportar. Até aí, tudo bem, nada anormal, vivemos em comunidade.

Agora que eu tenho 2 crianças em casa, e tenho contato com outras crianças, consigo perceber como elas são corajosas, destemidas, desafiadoras. A partir de quando elas começam a abaixar a cabeça? Talvez em casa? Talvez na escola?

Somos programados a nos comportar de maneiras parecidas. Na escola, por exemplo, precisamos ficar quietos, sentados. Precisamos obedecer os professores, aprendemos a não questionar, a não fazer perguntas difíceis.

Aprendemos a silenciar a mente.

Passamos a acreditar que para ter um futuro melhor, precisamos estudar bastante, trabalhar em uma empresa de grande porte, ganhar bastante dinheiro e constituir uma família. Fim.

Mas e quando a gente percebe que a vida não se resume a isso? Que viver é muito mais?

Aliás, deixe-me saber: qual é o seu sonho? Já reparou que todo mundo tem o mesmo sonho? Ter uma casa própria, uma casa na praia, constituir uma família, viajar pelo mundo e ser feliz?

Será que esses sonhos idênticos, são realmente seus? Ou são sonhos plantados desde que nascemos? Será que sem perceber, estamos vivendo o sonho dos outros?

Há mais de 10 anos, tenho me questionado quem sou eu. Não a pessoa que querem que eu seja, mas quem sou eu de fato.

Essa pessoa que eu estou descobrindo, é completamente diferente da pessoa que eu achava que era. Olho para alguns anos atrás e chega a ser difícil acreditar que somos a mesma pessoa.

A aceitação acontece devagar, de forma natural. Conforme a gente vai se conhecendo melhor, o amadurecimento e o amor-próprio também começa a ter o seu papel.

A descoberta é surpreendente, impressionante, e em algumas vezes, mágica.

Quando aprendemos a nos amar, passamos a não ter tempo para as coisas pequenas. Passamos a nos preocupar com as coisas que realmente são importantes para nós.

Descubra quais são os seus sonhos você também.

~ Yuka ~

9 livros que mudaram a minha forma de pensar

Preciso ser sincera… não foram esses livros que mudaram a minha forma de pensar. Foram um “multi-combo de várias coisas”… os livros de auto-ajuda que sempre li (e que as pessoas torcem o nariz rs), os vídeos sobre motivação, o fato de eu sempre ter sido uma pessoa otimista, o meu marido que sempre acreditou no meu potencial, e nas centenas de livros sobre diversos assuntos que li.

Sim, eu sou dessas que lê livros no metrô, no ponto de ônibus, dentro do elevador, na fila do supermercado, no consultório médico, antes de dormir. E entre tantas linhas lidas, acabei absorvendo muita coisa boa, mesmo quando o livro não era tão bom.

Então essa lista de livros, não é uma lista estática, podem ter muitos outros livros e até mesmo textos de blogs que me transformaram, mas é uma tentativa de mostrar o que eu ando lendo:

1.) Essencialismo: a disciplinada busca por menos

2.) O poder do hábito

https://images.livrariasaraiva.com.br/imagemnet/imagem.aspx/?pro_id=4238667&qld=90&l=430&a=-1

3.) Quanto menos, melhor

4.) A história das coisas

5.) As cinco linguagens do amor

6.) Dinheiro e Vida

7.) Trabalhe 4 horas por semana

8.) Pai rico, pai pobre

9.) O milionário mora ao lado

~ Yuka ~

O que você está fazendo hoje para sair desta situação?

reclamar

A frase abaixo é o meu mantra há anos.

O que você está fazendo hoje para sair desta situação?

É incrível como ela serviu e ainda serve para tudo na hora de fazer alguma reclamação.

– O país está uma m&$&@?

– O emprego está chato?

– O salário está baixo?

– Tem poucos amigos?

– O marido não ajuda em casa?

– Não gosta do bairro que mora?

– Algo te incomoda?

E o que você está fazendo para sair desta situação? Se a resposta for “nada” (e a maioria das vezes a resposta é justamente essa), me desculpe, mas o mundo não vai mudar por você. Não adianta só reclamar, falar mal e culpar os outros.

Essa pergunta é crucial, porque mostra que a pessoa que pode mudar a situação somos nós mesmos. A culpa não é mais do outro. A responsabilidade se torna nossa. E se a gente não faz nada para sair daquela situação, a não ser ficar reclamando de tudo e de todos, infelizmente, nada irá mudar.

Eu tenho 6 princípios que me auxiliam quando tento sair de uma determinada situação:

  • saber onde quero chegar daqui a 1, 5, 10 e 30 anos
  • analisar como sair da situação
  • estabelecer metas
  • praticar a gratidão
  • comemorar pequenas conquistas
  • ter pessoas que acreditam em mim

Apenas para exemplificar, vamos imaginar que uma pessoa não queira continuar trabalhando onde está atualmente.

Imagine onde quer chegar daqui a alguns anos? Em um novo emprego, talvez na mesma área, ou em uma área completamente nova. Se for em uma área diferente, talvez tenha que fazer um novo curso, uma nova graduação.

Pronto, a partir do momento que há uma ideia de onde pretende se chegar, é possível analisar a situação. Decidido que quer tentar uma área nova? O que precisa ser feito? Um curso? Onde tem esse curso? Quanto custa? Quantos anos de curso?

Agora começamos a estabelecer metas. Anotar em um papel pequenas tarefas como pesquisar em qual local pretende-se estudar, quanto é necessário investir para se formar em uma nova área, em que horário pretende-se estudar, etc.

A gratidão é um passo importante para reconhecer o esforço próprio ou de alguém. Comemorar pequenas conquistas faz parte dessa etapa. Conseguiu se inscrever no curso? Comemore! Conseguiu contato de pessoas que trabalham na área? Comemore! Essas pequenas conquistas é o que nos impulsiona para a frente.

Nem sempre é possível, mas ter pessoas que acreditam na gente é fundamental. Às vezes o desânimo bate, e quando a vontade de jogar tudo para o alto aparece, surge a pessoa que acredita em você, e dizer que tudo vai dar certo.

E você?

O que você está fazendo hoje para sair desta situação?

~ Yuka ~