A capacidade que temos de começar outra vez

começar outra vez

Há exatos 10 anos, eu me divorciei.

Foi bem difícil, mas ao mesmo tempo senti um alívio ao saber que a partir daquela dia, eu voltaria a ter controle da minha vida.

Logo depois do divórcio, voltei a estudar, procurei um novo lugar para morar e juntei meus caquinhos para reconstruir minha vida.

Engana-se quem pensa que não gosto dele. Muito pelo contrário, tenho admiração e gratidão por ele ter tido a coragem de dizer o que estava sentindo. Graças à essa coragem eu tive a oportunidade de reconstruir a minha vida ao lado de outra pessoa.

No dia em que ele foi embora, eu dobrei suas roupas para colocar na mala. Eu emprestei a chave de casa quando viajei por 1 mês, porque ele ainda não tinha lugar oficial para ficar. Quando retornei da viagem, encontrei a casa em silêncio e uma geladeira abarrotada com coisas que eu gostava de comer.

Foi ele que fez a mudança das minhas coisas para o apartamento novo. Foi ele que desmontou e montou meu guarda-roupa.

E com todas essas lembranças, hoje tenho a plena consciência de que meu primeiro casamento não foi um erro. Eu casei com a pessoa certa. Só não durou para sempre.

E apesar de já saber que ele tinha um caráter exemplar, foi no divórcio que eu confirmei isso.

Dizem que a cada 10 anos um novo ciclo se inicia.

Depois de 10 anos, cá estou eu, casada novamente, apaixonada e mãe de 2 lindas filhas.

E ao relembrar desse momento, lembrei da minha mãe falando que sempre achou que o divórcio era o fim da vida de uma pessoa…

… mas que ao me ver começando de novo, descobriu que o divórcio não era um fim, e sim, o recomeço de uma vida.

Neste fim de ano, aproveito para relembrar que nós temos a força de recomeçar sempre. Recomeçar uma nova vida, um novo estilo de vida, um novo hábito, ter novos propósitos…

Um feliz 2018 para todos!!!

Um feliz recomeço para todos nós.

~ Yuka ~

Anúncios

35 comentários em “A capacidade que temos de começar outra vez

  1. Esse POST me emocionou. Não sei , talvez pelo divórcio do meus pais há muitos anos atrás ter sido horrível, e acabado com a família.

    Nós podemos escolher como viver e como recomeçar. Obrigada por compartilhar.

    1. Oi Bia, conheço divórcios traumáticos também, onde quem mais perde são os filhos, mas conheço também amigos recém-divorciados que se esforçam (e muito!) para que o convívio entre eles seja o mais pacífico possível por um único propósito: para que seus filhos continuem tendo por perto o pai e a mãe. Tenho amigos que não gostam do meu ex-marido, por ele ter me feito sofrer, mas pra mim tudo isso já ficou no passado. Antes, eu era muito feliz, mas reconheço que hoje sou mais feliz ainda. E isso só foi possível pela coragem dele. O recomeço é constante, a renovação acontece diariamente, mas na virada do ano isso fica mais em evidência. Bia, desejo a você vários recomeços e um feliz 2018.

  2. Tbm me identifiquei e me emocionei com seu post Yuca. Já acompanho seu blog faz algum tempo e espero com expectativa os seus textos. Adoro a forma como aborda a vida e sua leveza. Tbm me separei, há 7 anos, mas eu não acho que ele era a pessoa certa. Acho que foi imaturidade mesmo, eu só tinha 15 anos qdo comecei a namorar e acho que durou mais do que deveria, pois só me separei aos 22. De qqr forma, acho que foi uma experiência necessária em minha vida, que me fez crescer bastante. Hj namoro e pretendo me casar em 2018, mas como vc, quero fazer bem diferente, começando por mim. Me inspiro bastante na sua forma de atuar na vida, desde á educação dos seus filhos a suas escolhas minimalistas. Obrigada por me proporcionar o seu exemplo… desejo que o seu 2018 seja de muita harmonia. Um abraço! 🤗

    1. Oi Ellen, você casou bem nova mesmo. Acho que o post anterior exemplifica bem, no sentido de saber a hora de partir. Não importa muito se erramos, o importante é saber a hora de partir. Reconstruir a nossa vida primeiro e depois nos unir a alguém não é uma tarefa fácil, principalmente porque muitas vezes temos que nos redescobrir novamente. Faça tudo sem pressa, mas viva intensamente. Desejo a você um feliz 2018. Beijos.

  3. Ei Yuka, foi impossível conter as lágrimas. Esse mês encerrei um relacionamento de 10, dos quais os últimos 4 foram um casamento. Tá difícil, apesar de saber que foi a melhor decisão que tomamos. Ler seu texto, sua vivência e perceber que eu também me casei com a pessoa certa mas que não estava sendo um relacionamento certo mais e que poderei viver uma vida plena e alinhada com uma pessoa que será a certa para o meu próximo momento, é reconfortante ao mesmo tempo que doloroso. Beijos querida. Um 2018 incrível para nós.

    1. Oi Karine, eu consigo imaginar sua dor. Gosto de uma frase que minha mãe fala, de que nenhum inverno dura para sempre. Depois de um inverno rigoroso, duro, difícil, há de vir a primavera. Viva o luto do casamento… e depois vire a página da sua vida para dar oportunidade ao novo. Daqui a alguns anos, quando você olhar para trás, verá que tudo valeu a pena. Um grande beijo pra você. Tenha força! Um lindo e novo ano para você.

  4. Oi Yuka!Incrível como encontrei esse post numa hora tão propícia. Fim de ano, eu destroçada como à anos. Época difícil e sem expectativas pra mim. Minha vida é marcada por dificuldades e a última e mais dolorosa delas (depois da morte do meu pai) foi meu divórcio em 2014, algo que não passa e que não vejo saída por onde recomeçar por mais que eu tente. Foi a coisa mais linda e ao mesmo tempo trágica que já vivi. Um namoro incrível, com uma pessoa incrível, um casamento dos sonhos, um cansaço e desgaste para montar a casa nova, e um fim depois de 4 anos sem explicação, o príncipe que virou sapo, uma dor imensa pra mim e um recomeço pra ele numa rapidez fantástica, parece que nem existi, algo ridículo. Agora me encontro cercada de pressão da família por estar sozinha aos 32 e fracassada por ser divorciada, solitária, sem conseguir um namorado desde então e sem amigos pois os poucos que eu tinha foram me decepcionando um a um pós-divórcio pra piorar. Saio quando estou mais forte, e volto pra casa mais arrasada porque na esperança de encontrar alguém que queira o mesmo que eu (uma família e companheirismo) esbarro na realidade atual: ninguém querendo nada sério, só bagunça. Isso só me fere e frustra ainda mais. É bom demais saber que existem pessoas que conseguiram, que são felizes e recomeçaram, me conforta um pouco, mas já tendo tentado de tudo (de terapia à remédios, de exercícios à cursos, e mais…) me encontro sem forças e sem planos, envolvida numa tristeza que não passa. É difícil ser mulher comum e divorciada, mesmo nos dias atuais, pelo menos para a minha realidade foi tudo “o fim do mundo”. Eu não vejo prazo pra minha luz chegar.
    Seu blog é ótimo, acompanho sempre, e parabéns pelo equilíbrio em tantos campos da vida!

    1. Oi Lílian, não conheço você para poder te dar um conselho, mas se me permite, gostaria de compartilhar um conselho que dei para uma amiga que divorciou… não se culpe com o divórcio, nem por estar sozinha, nem pelas pressões familiares e sociais. Não se compare se as amigas estão casadas, se o ex-marido está de namorada nova, se as pessoas ao seu redor parecem ser mais felizes que você. O conselho que dou é: concentre-se em você. O que gosta de comer? O que gosta de fazer? Quais são seus hobbies? Quem é você e quem você quer se tornar? São várias as perguntas para você conseguir se conhecer melhor. Ao invés de procurar por outra pessoa, procure por você. Quando aprender a se divertir sozinha, ir para os lugares sem procurar por outra pessoa, fazendo coisas que alimenta sua alma, você vai ver que naturalmente as pessoas vão começar a se aproximar novamente. Tem um poema do Mário Quintana que gosto muito: “Com o tempo, você vai percebendo que, para ser feliz com uma outra pessoa você precisa,
      em primeiro lugar, não precisar dela… Você aprende a gostar de você, a cuidar de você, principalmente, a gostar de quem também gosta de você. O segredo é não correr atrás das borboletas… é cuidar do jardim para que elas venham até você. No final das contas, você vai achar não quem você estava procurando… mas quem estava procurando por você!” Beijos pra você.

      1. Yuka como sempre arrasando nos textos e nos comentários!!! Não existe conselho melhor que esse acima para qualquer mulher seja ela casada, divorciada ou solteira… Passei por uma fase muito difícil na minha vida e no meu casamento, teve um tempo que estivemos a beira de um divórcio e eu realmente achava que ja havia chegado ao fim mesmo… Nesse momento comecei a cuidar de mim, a mim conhecer melhor, foi uma redescoberta do meu EU e foi maravilhoso. O meu então quase ex-marido acabou se reaproximando e conseguimos reconstruir dos escombros um novo casamento, mas o recomeço de nossa vida conjugal começou no dia que eu me conheci melhor, no dia que eu cuidei do meu jardim…

        1. Oi Célia, você pode falar com propriedade que mais importante que encontrar alguém, é se encontrar primeiro. Eu também passei por isso depois do divórcio. Eu fui em busca de mim, foi uma tarefa difícil, mas comecei a descobrir que muitas das coisas que eu gostava era por causa do meu ex-marido. As comidas que eu fazia, os móveis que comprávamos… cada dia era uma pergunta nova: eu gosto disso? por quê? E assim no final de alguns anos eu tinha uma lista do tipo de homem que eu não queria pra mim. Isso mesmo, mais importante do que saber o tipo de pessoa que eu queria, era saber o tipo de pessoa que eu não queria pra mim. Conforme eu fui me conhecendo, não queria mais qualquer um. Tinha que ser O cara. Claro que essa lista não tinha itens como “tem que ter carro”, “tem que ganhar mais que eu”, mas tinha itens como “não pode ser machista”, “tem que saber cozinhar e limpar a casa”, e por aí vai. No início do namoro meu marido encontrou essa lista dando sopa aqui em casa, virou a maior piada, rimos muito. Mas a pura verdade é que meu marido era o homem da minha lista. Ele se encaixava perfeitamente nas qualidades que eu gostaria que um homem tivesse. Parabéns por cuidar do seu jardim. Nunca esqueça de regá-lo. Beijos pra você.

          1. Yuka você quer sentar comigo no recreio? Que pessoa iluminada é você! Esse regar o jardim é um cuidado diário mas que tendemos a esquecer durante a correria, mas sempre tento olhar para dentro de mim mesma e me amar e saber que EU sou um mulherão da P…a. e o seu blog sempre inspira pensamentos e coisas boas em mim! Estou numa Batalha de organizar minha casa e minhas finanças e esse ano que passou foi um grande avanço e vc pode ter certeza q tem uma pontinha dos seus textos nas minhas mudanças.

            1. Esse ano, vou ver se consigo postar sobre investimentos, sobre o conceito da independência financeira. Tem muita frase sobre dinheiro que é repetida por aí que precisamos derrubar… São ideias e conceitos que embutiram na nossa cabeça e é difícil tirar. Preciso me organizar para escrever. Aguarde rsrs. Beijos.

      2. Obrigada pelo carinho em ler e responder cada comentário de forma pessoal. Mais um diferencial do seu blog, nada de respostas ensaiadas. Tenho tentado fazer o que você disse sim, não tenho outra alternativa no momento até por conta da solidão, mas tenho DEUS comigo, uma hora meu momento de superar vai chegar. Beijos.

        1. Lílian, tenha forças. Anote num papel ou no celular tudo o que descobrir que gosta de fazer. Eu tenho a minha própria lista: assar cookie tomando chá preto, acordar ouvindo as maritacas, cheirinho de pão caseiro saindo do forno, passear na 25 de março, estudar finanças, etc. Você pode incluir pequenas felicidades, sentimento de gratidão, pequenas descobertas. E tenha certeza de uma coisa: isto vai passar. Segue um vídeo para você. Beijos. https://youtu.be/OaO_Jse93oo

  5. Oi, Yuka! Que bonito o que você escreveu! Nunca fui casada, mas mesmo assim achei muito bacana. Quem dera todos nós pudéssemos encarar os fins de relacionamento dessa forma, a vida seria muito mais leve! Às vezes, precisamos deixar que uma fase termine para que outra se inicie. Nem sempre é fácil fazer essa travessia, mas o tempo trata de curar as feridas e nos mostrar o quanto aprendemos com a experiência. Tenho certeza que você inspirou muitas pessoas com esse relato! Um excelente 2018!

    1. Oi Caroline, o tempo cura as feridas mesmo. Lembro que na época em que meu casamento estava desmoronando, eu não entendia o motivo e chorei horrores. Justo a gente que se dava tão bem iríamos nos divorciar, enquanto via casamentos ruins continuarem. A única coisa que sinto falta é da nossa amizade. Inclusive meu atual marido sabe que fui muito feliz com meu ex-marido, motivo pelo qual até o meu atual gosta do ex kkk. Um feliz 2018 pra você também.

  6. Feliz 2018! Adorei o texto! Adorei a visão sobre o relacionamento anterior. Me fez pensar nas coisas boas dos meus relacionamentos anteriores e tentar focar apenas no quanto me fizeram crescer. 🙂

    1. Oi Michelle, todo relacionamento (os bons e os ruins) nos fazem crescer. Os ruins por nos ensinar o que não queremos mais, e os bons por nos ensinar que amar vale a pena. Um feliz 2018 pra você também. Beijos.

  7. Yuka, querida! Que mensagem mais linda e cheia de esperança! A vida do lado de cá da tela não está fácil, mas seu texto, cheio de serenidade e sabedoria, ajudou a apaziguar a alma. Muito obrigada! Abraço enorme e toda felicidade a você e sua família!

    1. Oi Isabela. Realmente a vida não é fácil. Mas podemos escolher entre continuar sofrendo ou seguir adiante. Meu ex-marido sofreu tanto quanto eu. Não há motivos para sentir raiva dele. Gostaria muito que ele encontrasse alguém legal, alguém que mereça seu amor. Obrigada pelo comentário, beijos pra você.

  8. Olá Yuka! Delícia ler o seu texto, é sensível, tem muito amor nele! Estou vivendo agora esse momento do divórcio… e fiquei fritando sobre como conversar com outras mulheres e escrever um pouco sobre essa experiência… obrigada por compartilhar, me encoraja pra falar sobre o assunto, bjs

    1. Oi Aiezha, divorciar nunca é fácil, não importa quem tenha pedido o divórcio. No meu caso, foi meu marido que pediu. Nós dois sofremos. Tenho uma amiga que pediu o divórcio. Os dois sofreram. Quando eu criei esse blog, me sentia meio ridícula, achando que ninguém leria algo sobre a qual acredito. Hoje vejo que estava errada. Após 5 anos, alimentar esse blog semanalmente é um dos prazeres que tenho. Talvez criar um blog para você poder compartilhar sua experiência com outras pessoas que estão passando pela mesma coisa que você seja um caminho da cura. Beijos.

      1. Criei o blog ontem! E estou justamente me sentindo assim, insegura, meio ridícula. Mas penso que já que gosto tanto de escrever, e que estou realmente transbordando agora que cruzei essa fronteira do divórcio, vou insistir. Eu nunca tive um blog, sabe? Sempre foi orkut, facebook, instagram. Mas em nenhum deles cabe texto como aqui, como eu quero! Então, coragem! Obrigada e até breve…

        1. Uhú, parabéns. Sei bem o que você está sentindo. Também senti assim por muito tempo, tanto que durante alguns meses cheguei a pedir para meu marido revisar meu português, tamanho era a minha insegurança. Vá rascunhando ideias e salvando. Depois de algumas semanas, você terá vários rascunhos. Daí é só sentar um dia que esteja bem inspirada para terminar de escrever um dos rascunhos. Pra mim tem funcionado bem. Tanto que o dia que estou inspirada, acabo pegando uns 10 rascunhos que no final vira 10 posts. Quem vê os posts do blog sendo publicado semanalmente, acha que escrevo toda semana. Mas a verdade é que eu escrevo a cada 3~4 meses, já que os textos ficam agendados para serem publicados todo domingo rs. Beijos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s