O caminho de volta

caminho

Semana passada, a leitora Cláudia me mandou um texto maravilhoso da Téta Barbosa Noblat, publicado em 2011 no Jornal O Globo, e eu não podia deixar de compartilhar aqui esse texto que se resume muito a essência do que discutimos neste blog.

Boa leitura:

O caminho de volta – por Téta Barbosa Noblat

Já estou voltando. Só tenho 37 anos e já estou fazendo o caminho de volta.

Até o ano passado eu ainda estava indo. Indo morar no apartamento mais alto do prédio mais alto do bairro mais nobre. Indo comprar o carro do ano, a bolsa de marca, a roupa da moda. Claro que para isso, durante o caminho de ida, eu fazia hora extra, fazia serão, fazia dos fins de semana eternas segundas-feiras.

Até que um dia, meu filho quase chamou a babá de mãe!

Mas, com quase 40 eu estava chegando lá.

Onde mesmo?

No que ninguém conseguiu responder, eu imaginei que quando chegasse lá ia ter uma placa com a palavra “fim”. Antes dela, avistei a placa de “retorno” e nela mesmo dei meia volta.

Comprei uma casa no campo (maneira chique de falar, mas ela é no meio do mato mesmo.) É longe que só a gota serena. Longe do prédio mais alto, do bairro mais chique, do carro mais novo, da hora extra, da babá quase mãe.

Agora tenho menos dinheiro e mais filho. Menos marca e mais tempo.

E num é que meus pais (que quando eu morava no bairro nobre me visitaram 4 vezes em quatro anos) agora vêm pra cá todo fim de semana? E meu filho anda de bicicleta e eu rego as plantas e meu marido descobriu que gosta de cozinhar (principalmente quando os ingredientes vêm da horta que ele mesmo plantou).

Por aqui, quando chove a internet não chega. Fico torcendo que chova, porque é quando meu filho, espontaneamente (por falta do que fazer mesmo) abre um livro e, pasmem, lê. E no que alguém diz “a internet voltou!” já é tarde demais porque o livro já está melhor que o Facebook , o Twitter e o Orkut juntos.

Aqui se chama “aldeia” e tal qual uma aldeia indígena, vira e mexe eu faço a dança da chuva, o chá com a planta, a rede de cama.

No São João, assamos milho na fogueira. Nos domingos converso com os vizinhos. Nas segundas vou trabalhar contando as horas para voltar.

Aí eu lembro da placa “retorno” e acho que nela deveria ter um subtítulo que diz assim: “Retorno – última chance de você salvar sua vida!”

Você provavelmente ainda está indo. Não é culpa sua. É culpa do comercial que disse: “compre um e leve dois”.

Nós, da banda de cá, esperamos sua visita. Porque sim, mais dia menos dia, você também vai querer fazer o caminho de volta.

(Escrito por Téta Barbosa Noblat)

~ Yuka ~

Anúncios

20 comentários em “O caminho de volta

  1. Nunca comentei aqui, mas tô sempre ligada! Moro no Rio, uma cidade linda, esplêndida….mas às vezes a correria me tira o prazer de observar. Acompanho você Yuka, e tenho aprendido muito. Não me considero minimalista, mas estou em constante aprendizado, e principalmente estou me conhecendo melhor. Comprar não é tudo, as coisas simples são lindas e minha maior felicidade é ter quase trinta, e ter minha vó viva, lúcida e com saúde, é ter passado no vestibular agora (com essa idade kkkk), e realizado o sonho de estudar, pois não tinha como fazer isso antes, é ter um sobrinho de 2 aninhos que tem a risada mais gostosa do mundo! Estou aprendendo a ser grata, e essa é a maior transformação de todas!!!!

    1. Oi Juliana. Ter gratidão parece ser um exercício fácil, mas não é. Então parabéns por saber reconhecer as pequenas felicidades do dia a dia. Eu percebo que nunca é tarde para estudar, mesmo que não tenha a educação formal, a fome por conhecimento deveria ser como o ar que respiramos: uma necessidade. Parabéns!!! Um grande beijo.

  2. Que texto sensacional! Verdadeiramente lindo. Só me faz ter mais certeza do “item” que é mais importante na vida: pessoas! Pessoas queridas são os melhores presentes. Nenhum bem material ou luxo será melhor do que ter pessoas amadas ao nosso redor. Todos os dias procuro agradecer a dar mais valor ao que realmente importa: pessoas insubstituíveis!

  3. Que texto sensacional! Verdadeiramente lindo. Só me faz ter mais certeza do “item” que é mais importante na vida: pessoas! Pessoas queridas são os melhores presentes. Nenhum bem material ou luxo será melhor do que ter pessoas amadas ao nosso redor. Todos os dias procuro agradecer e dar mais valor ao que realmente importa: pessoas insubstituíveis!

  4. Texto sensacional! Me deparei com essa placa há poucos meses, depois de quase deixar minha saúde emocional ir para o brejo. 24 anos de idade e tomava remédio para dores de cabeça todo dia. Insônia e enjoos nervosos eram rotina, assim como aquele sorriso mascarado dizendo que estava tudo bem só para não tem que explicar tudo e ouvir conselhos que nada tinham a ver. Parei com muita coisa, decidi fazer terapia e passar mais tempo comigo e com aquilo que realmente me faz bem. Conheci o minimalismo e me identifiquei muito. Parei de comprar e correr louca atrás do tempo e das coisas dessa sociedade acelerada. Ainda estou em processo. As vezes me desvio, mas textos como esse me voltam a incentivar.

    Grande beijo!

    1. Que bom que você está desacelerando. Desacelerar e escolher o que é essencial na vida é o que tem me feito saber que estou andando na direção certa. O desvio é normal, porque todos querem nos desviar (os amigos, a família, as vitrines do shopping, os comerciais da televisão, as propagandas de rua, as notícias de jornais..). O importante é sempre reconhecer que está pegando um caminho diferente e tentar voltar para o que aquieta o coração. Beijos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s