Para viver um grande amor

romance.jpg

Conheci meu marido ainda adolescente, no primeiro dia da faculdade. E em poucos dias, nos tornamos melhores amigos. Ele continua sendo meu melhor amigo e continuamos a rir um do outro até hoje.

Ele é meu melhor amigo quando me acompanha para comprar roupas, palpitando e tendo a maior paciência para eu experimentar e decidir o que levar. Ele é meu melhor amigo quando permite que eu consiga ser eu mesma, livre e solta. De não ter receio de parecer uma boba. Me ouve com atenção sobre qualquer assunto.

Conversamos sobre tudo, desde fofoca de famosos, finanças, minimalismo, até política e filosofia.

Teve oportunidades para trabalhar em outro país e também em outro Estado, mas largou mão de ter uma carreira sólida para viver um grande amor. O seu grande amor por mim.

Desde quando namorávamos, lavava a louça da minha casa, varria a casa, lavava até o banheiro. Cuidava da minha casa com tanto zelo, como se fosse a sua.

Sinto sua presença em tudo, me cobre nas madrugadas frias, me deixa dormindo até mais tarde quando sabe que estou cansada, prepara o café da manhã, elogia a minha comida. Sempre me espera para comer, mesmo se eu demorar por estar amamentando, ou colocando as crianças para dormir. Me espera mesmo se estiver morrendo de fome, só para ter o prazer de estar comigo. Se estou deitada na cama com o cabelo molhado, ele vem com o secador de cabelo e seca para mim. Se estou doente, anota os horários do meu remédio. Toma conta de mim e me sinto cuidada. Recebe os posts do meu blog por e-mail, mas faz questão de ler no site só pra aumentar a estatística de visita.

Sim, ele é assim. Sim, ele é um amor de pessoa. Sim, ele é grande amor da minha vida.

Analisando nosso relacionamento, vejo que desde o início, sempre nos admiramos. Ele, inclusive, sempre acreditou em mim. Acreditou no meu potencial, na minha inteligência, na minha essência, mesmo em períodos em que eu não acreditava do que era capaz. Eu me achava menos inteligente do que a maioria das pessoas, menos capacitada intelectualmente. E tentava compensar essa “falta de inteligência” sendo uma pessoa legal.

Só que ele tinha a opinião completamente contrária sobre mim. E por ele sempre acreditar no meu potencial, eu me re-descobri.

Este blog inclusive, nasceu pela insistência dele. Ele gostava tanto das coisas que eu falava (que era contrário a tudo o que ouvimos por aí), que achava que eu precisava ter um blog para que mais pessoas pudessem ouvir o meu pensamento.

Quando falei que tinha um plano para nos aposentarmos aos 50 anos, foi o único que não riu e sentou do meu lado para ouvir o que eu tinha para falar.

Ele me deu o privilégio de ter uma família. Antes era só eu e ele. Hoje, nós somos 4. Eu, ele e as nossas duas filhas lindas.

Me mostrou que não é o dinheiro que traz felicidade, me mostrou que reconhecer os próprios erros não faz de uma pessoa menos digna, muito pelo contrário, mostra o quão humilde pode ser.

Apesar de tantos defeitos que tenho, me ama com toda força da alma. Sou capaz de perceber o amor pelo olhar, pelo tom de voz.

Como ele mesmo diz, o nosso encontro mudou nossa vida. Nós somos pessoas muito melhores juntas, nós melhoramos a cada dia como ser humano por estarmos juntos.

Ele não é só meu marido. É o meu parceiro, meu melhor amigo, a pessoa que mais me conhece e cuida de mim. Às vezes acho que ele me conhece melhor do que eu mesma.

Ele potencializou o que estava adormecido em mim. E isso me faz refletir como é importante escolher bem a pessoa que vai passar a vida com você.

Quando penso o quanto já compartilhei da minha vida com ele e o tempo que ainda ficaremos juntos, um sorriso no canto de boca é inevitável. Passamos até a cuidar melhor da alimentação e fazer exames médicos de rotina por querer estarmos mais tempo juntos.

Eu sei que mudei muito. Minhas ideias amadureceram, minhas opiniões mudaram e esse blog me ajudou muito a acelerar esse processo.

E saber que mesmo após tantas mudanças e descobertas, meu marido me apoia e continua tendo orgulho das minhas opiniões e convicções me dá a certeza de que não só escolhi a pessoa certa, como tenho certeza de que estamos caminhando na direção certa.

Eu sempre acreditei que escolher a pessoa certa que vai caminhar com você, o que a gente chama de Vida, é o que faz a diferença se sua vida vai ser mais fácil ou mais complicada.

E viva ao amor!

~ Yuka ~

Se tivesse mais tempo livre…

tempo-livre

Esse é um ótimo exercício para verificar se estamos no caminho certo (entenda como caminho que queremos percorrer, não o caminho que – os outros – querem que percorramos).

Se eu tivesse mais tempo…

… eu cuidaria mais do meu corpo: comeria melhor, cozinharia comidas diferentes para aguçar meu paladar, faria exercícios físicos, porque eu só tenho este corpo e ele merece ser tratado com mais carinho e respeito.

… eu iria passear e observar mais: conheceria mais lugares novos, sentaria em uma cafeteria do lado de fora para ficar observando a rua e as pessoas.

… eu viajaria mais: para conhecer outras culturas, outros tons de pele, iria gostar de conversar com pessoas desconhecidas, descobrir que existem várias realidades paralelas e que a minha realidade não é a única existente.

… eu aprenderia um instrumento musical, pode ser piano ou violino, ou os dois, ouviria mais música clássica, que é o que aquece meu coração.

… eu encontraria mais os amigos, passaria mais tempo com eles, pois são os irmãos de alma que eu escolhi.

… eu tentaria descobrir mais coisas que amo, fazendo atividades nunca feitas, trabalhos novos, com o intuito de descobrir o que gosto e o que não gosto.

… eu faria mais trabalhos manuais como costura, marcenaria, pintura, reforma, pra poder ajudar mais pessoas necessitadas.

E depois de escrever tudo isso, surge uma pergunta/dúvida:

– E porque eu não faço essas coisas hoje? Falta de tempo? Falta de dinheiro? Falta de disposição?

Tem uma entrevista que o Mário Sérgio Cortella disse que “tempo é uma questão de prioridade”. Ou seja, quando a gente fala que não tem tempo, é porque aquilo não é prioridade na nossa vida.

Vamos ser sinceros… É um belo tapa na nossa cara.

Parece que a gente mal tem tempo para pensar o que é nossa prioridade, onde queremos gastar o nosso tempo.

Aliás, onde queremos “ganhar” o nosso tempo? Quais são as verdadeiras prioridades?

Eu e meu marido temos pensado muito sobre quais prioridades que queremos valorizar. 

Mais brincadeiras com as filhas, sim.

Mais faxina, não. 

Mais filmes, cinema, Netflix, sim.

Mais televisão, não.

Mais tempo para passear, sim.

E assim por diante.

~ Yuka ~

 

 

Menos vs Mais

menos mais

Inspirada no post do blog The Busy Woman and the Stripy Cat, vou escrever sobre o que eu quero MENOS e o que eu quero MAIS da minha vida:

MENOS

  • internet
  • reclamação
  • bagunça 
  • estresse
  • ansiedade 
  • objetos 
  • livros impressos
  • consumismo

MAIS

  • amor
  • silêncio 
  • simplicidade
  • ócio
  • disposição 
  • tempo com as filhas
  • alimentação saudável 
  • exercício físico 
  • e-books

Olhando assim, são coisas simples né?

~ Yuka ~

Detox digital, corporal e mental… destralhando e desacelerando (parte 2)

DETOX DIGITAL

No fim do mês de março, eu publiquei um post de desabafo sobre a estafa que estava sentindo por causa do excesso de informação ao meu redor.

E ao começar a montar o plano para iniciar o meu detox digital, percebi que o que eu queria não era somente um detox digital.

Eu compreendi que eu não quero simplesmente reduzir a internet. Eu quero utilizar meu tempo de uma forma melhor, desempenhando menos atividades, só que com mais afinco, com mais prazer, ao invés de fazer as coisas com pressa.

Percebi que o detox tem que ser geral.

O detox é corporal (para cozinhar com prazer, me alimentar melhor), mental (para ter tempo para pensar e também ter tempo para não fazer nada), desacelerar e destralhar.

Então criei mini-tarefas para facilitar a execução destas metas:

META 1 (menos tempo na internet): Ao invés de acompanhar os diversos sites e ler rapidamente os textos, comecei a acompanhar SOMENTE aqueles que agregam valor para mim.

  • YouTube: mantive somente os canais que gosto muito
  • Newsify (gerenciador de sites): mantive somente sites e blogs que me dá prazer na leitura
  • WhatsApp: silenciei grupos grandes
  • Celular: desativei alertas e notificações dos aplicativos
  • Kindle: passei a ler mais livros como uma forma de ficar desconectada da internet por mais tempo

META 2 (destralhar): Passei a rever melhor os itens que possuo em casa para conviver somente com itens que gosto e que são essenciais para mim. Ter menos objetos significa ter menos trabalho para manter e preocupar. Para isso passei a usar o Evernote para administrar meus papéis. Escaneei todos os meus comprovantes de pagamento, recibos, notas fiscais, manuais de instruções, exames médicos, declaração do imposto de renda e eliminei os papéis.

META 3 (alimentar o corpo): Entendi que meu corpo é um bem precioso. Sem ele, não posso cuidar das minhas filhas, não posso trabalhar, nem fazer coisas que gosto. Sei da importância do sono, da alimentação e do exercício físico. Mas ainda sou preguiçosa, por isso comecei devagar, com pequenas caminhadas.

META 4 (desacelerar): Fazer as coisas mais devagar, procurar fazer as coisas prestando atenção. Uma coisa que foi importante para mim, foi criar uma lista chamada “Talvez / Um dia desses” no meu celular (assisti no Arata Academy). Essa lista tem o intuito de esvaziar a cabeça das obrigações que não são emergenciais. Isso fez desafogar a minha lista de tarefas e consequentemente a sensação de cobrança que eu tinha comigo mesma.

META 5 (alimentar a mente): Encontrar com mais frequência os amigos, fazer mais artesanatos, estudar. Ou seja, alimentar a alma e a mente..

São essas 5 metas que estou seguindo no momento.

~ Yuka ~