Por uma vida menos gourmet

Screen shot 2016-06-03 at 11.05.35

O conceito food truck, que era para oferecer comida boa a um preço camarada, virou gourmet. Duas pessoas gastam em torno de R$80,00 (lanche e refrigerante) nos food trucks espalhados pela cidade de São Paulo. E detalhe, come-se em pé.

Os apartamentos também viraram gourmet, com cozinha gourmet, varanda gourmet e espaço gourmet.

As pipocas caramelizadas e o brigadeiro gourmet com chocolate belga.

A gourmetização também chegou no café. Fico impressionada com a criatividade de adjetivos utilizados para descrever as cápsulas de café para enobrecer (e muitas vezes encarecer) o nosso café “blend de Arábicas da Colômbia finos e individualmente torrados, desenvolve uma acidez suave, com notas típicas de frutas vermelhas e vinho”…

As papinhas para bebê também viraram gourmet. Agora tem versão orgânica, light…

Apesar dos excessos de gourmetização, tento seguir o caminho contrário, valorizando a simplicidade.

Tenho um cargo de diretoria onde trabalho, mas vou ao trabalho de transporte público. Também não uso carro oficial da instituição (apesar de estar disponível) quando vou a outra filial, vou de ônibus.

Levo minha marmita todos os dias para almoçar.

Na minha sala, gosto de ficar descalça durante o expediente de trabalho.

Enquanto meus colegas usam Pandora e Vivara, me auto-denomino a “rainha da 25 de março”.

Não vejo necessidade de igualar um padrão de vida só para me encaixar no grupo ou de gourmetizar a vida só para tentar mostrar aos outros que a vida pode ser melhor que a do colega.

Vivemos um período em que muito se valoriza a gourmetização da vida cotidiana e excesso de exibicionismo ao invés da simplicidade da vida.

Se não tivéssemos a quem mostrar ou contar, será que continuaríamos comprando uma roupa cara e confortável ou pagaríamos uma roupa pela metade do preço, igualmente confortável?

Será que teríamos aquele carrão que apertou o orçamento familiar ou compraríamos um carro popular que atende a necessidade de ir e vir?

Será que continuaríamos comprando jóias se não pudéssemos mostrar para ninguém?

São perguntas que devemos fazer a nós mesmos. E podemos nos surpreender com as respostas, ao perceber que muito do que fazemos é para tentar impressionar os outros.

~ Yuka ~

Anúncios

DIY porta-jóias (porta-bijuterias) utilizando caixa organizadora

DIY porta joias 10

Oi pessoal.

Hoje eu gostaria de compartilhar com vocês o porta-bijuterias que fiz para mim.

Há tempos eu estava querendo comprar um, cheguei a pesquisar em várias lojas, mas sempre desanimava quando olhava o preço.

Lembrei que tinha umas caixas organizadoras sem uso no fundo do guarda-roupa e alguns feltros sobrando.

Olha só como eu fiz:

DIY porta joias 1
Aqui está a caixa organizadora vazia.
DIY porta joias 2
Dei uma boa limpada para tirar a poeira.
DIY porta joias 3
Procurei um pedaço de feltro, na cor rosa.
DIY porta joias 4
Cortei em tiras da largura das divisórias.
DIY porta joias 5
Não há medida certa em relação ao comprimento da tira. Fui enrolando até chegar ao tamanho desejado.
DIY porta joias 6
Coloquei três “enroladinhos” em cada divisória.
DIY porta joias 7
Como estas duas divisórias têm uma saliência, resolvi encapar de outra forma, colocando fibra sintética e depois um pedaço de feltro por cima.
DIY porta joias 8
Fiz um enroladinho desta forma e acomodei em cima da fibra sintética.
DIY porta joias 9
Ficou desta forma.
DIY porta joias 10
Com os brincos, anéis e pulseiras.

~ Yuka ~

 

O exercício de viver com menos

Captura de Tela 2016-05-10 às 17.01.06.png

Digo exercício, porque viver com menos é uma escolha que fazemos diariamente.

Viver com menos não é uma tarefa fácil. Significa viver contra a maré.

Além das propagandas de televisão, internet, outdoor, revistas, há as propagandas ditas “silenciosas”. Uma simples ida ao supermercado pode ser uma tentação: uma embalagem colorida para chamar a atenção das crianças (e também dos adultos), uma promoção leve 3 pague 2, enfim, uma infinidade de oportunidades para “viver com mais”.

Não podemos esquecer das opiniões dos familiares, amigos e colegas, no estilo “pra que ter de graça se podemos pagar?”.

Quando decidimos viver com menos, as escolhas vão se tornando cada vez mais fáceis, pois são poucas as decisões que devemos tomar.

Vou dar um exemplo para tornar mais fácil o que estou querendo dizer.

Se ao invés de eu comprar um carrinho de bebê muito mais equipado do que a minha necessidade, o que acontece? Provavelmente vou desembolsar uns R$3.000,00. Se eu tivesse um carro, provavelmente teria que trocar de carro com um porta-malas maior. Um carro maior gasta mais gasolina. O IPVA vai aumentar, inclusive o seguro, etc. Com um carro novo e maior, vou parar de estacionar na rua e começar a pagar estacionamento.

Viu que uma simples decisão de comprar algo inocente pode desencadear uma série de fatores?

Antes de decidir viver com menos, eu tinha muitas roupas, muitos sapatos, bolsas e maquiagens, mas parecia que nunca era suficiente. Sempre queria comprar mais e mais.

Tinha uma ânsia por espaço, queria um guarda-roupa maior, uma sapateira maior, uma estante maior, uma casa maior. Perdia um tempinho de manhã escolhendo roupas, combinar sapatos com bolsas, acessórios etc.

Quando parei para analisar cada objeto que eu tinha, percebi que eu tinha muitas coisas que não utilizava e também muitas peças parecidas. Ou seja, eu não precisava de mais coisas, muito menos de mais espaço. Eu precisava organizar a minha vida e aprender a admitir que eu já tinha o suficiente.

Ter reduzido meus pertences para um número que é confortável pra mim foi libertador, porque hoje eu sei o que eu preciso e o que não preciso.

~ Yuka ~

De quantos sapatos eu preciso -post 2

Em dezembro de 2013, eu publiquei um post dos meus sapatos. Na época, eu tinha 17 pares de sapatos (incluindo sandália, bota, chinelo e tênis).

Eu percebi que tinha vários sapatos de cores iguais, como 4 sapatos pretos, 2 sapatos bege, 2 botas, e por aí vai.

Depois de 2 anos e meio, ainda estou terminando de usar alguns sapatos daquele período, mas já consegui reduzir bem. Hoje tenho 10 sapatos:

scarpin preto

scarpin bege

sapatilha oncinha

sapatilha preta

sapatilha pink

sandália caramelo

bota de cano curto

bota de cano longo

tênis

chinelo
Esse chinelo continua na luta. Já até troquei a tira, como falei neste post aqui.

Claro que existem pessoas que tem menos sapatos do que eu, mas acho que eu consegui achar a quantidade e variedade ideal pra mim.

Screen shot 2016-05-18 at 10.11.47

~ Yuka ~