Como fazer iogurte grego e granola caseira

Eu nunca fui uma pessoa fã de iogurte natural, pois achava sem graça, aguado, insosso, esquisito…

… até começar a fazer o meu próprio iogurte.

Gente, sério, iogurte grego é muito gostoso.

Eu comprei uma iogurteira e desde então faço toda semana de 2 a 3 vezes.

E pra coroar essa delícia, passei a fazer a minha própria granola.

É outra delicia também rs.

É tão gostoso que eu e meu marido perdemos o interesse por sorvete. Só queremos comer o iogurte. Usamos a geleia de morango para adoçar (feita pela minha mãe) e depois acrescentamos a granola. Hummm, nham nham nham.

A pedidos, segue a receita do iogurte grego e granola.

 

IOGURTE GREGO CASEIRO

O iogurte em si, é muito fácil de fazer.

Eu comprei uma iogurteira para facilitar a minha vida, pois não queria ficar amornando o leite toda vez, mas não é essencial. Eu só comprei porque achei que iria agilizar a minha vida (e agilizou mesmo).

1

Essa é a minha iogurteira.

Basta misturar 2 colheres de sopa de iogurte natural não adoçado (metade do potinho) em 1 litro de leite. Misturo bem e deixo na iogurteira ligada por 8 horas. O iogurte fica pronto assim.

2

Aqui está o iogurte normal pronto. A partir deste iogurte, eu preparo o iogurte grego.

Como eu gosto do iogurte beeeem espesso, eu dessoro o iogurte. Para isso, eu comprei na mesma loja online da iogurteira o dessorador.

3

Agora é só transferir o iogurte pronto no dessorador para tirar o soro do iogurte.

Então é só transferir esse iogurte na dessoradora e deixar escorrendo o soro por mais 5-8 horas, até chegar na consistência do seu agrado.

4

Eu, transferindo o iogurte na dessoradora.

5

Deixo na porta da geladeira por algumas horas até alcançar a consistência que gosto.

6

Olha quanto soro saiu.

7

Transfiro num pote e guardo essa delícia na geladeira.

A loja online fala pra usar um coador de café de papel, e usei nas primeiras vezes. Mas depois eu comprei um coador que não é descartável (é sintético, mas não sei dizer de que material é) numa loja chamada Lojas Mel, por R$2,99. Então uso e reuso esse coador só para este fim. Depois é só transferir em um pote, misturar bem com um garfo ou com um fuê e está pronto o mais delicioso iogurte grego.

Aqui em casa vira uma linha de produção para fazer o iogurte. Enquanto estou dessorando o iogurte, já uso a outra metade do potinho para fazer um novo lote de iogurte. Mas também gosto de usar como “isca” as 2 colheres do iogurte que acabou de ficar pronto. E assim com apenas 1 potinho comprado eu faço o iogurte umas 10 vezes.

 

GRANOLA CASEIRA

8

Já a granola não tenho medida, é tudo no olhômetro. Mas é bem fácil de fazer.

Eu pego uma bacia bem grande e vou misturando:

  • castanha de caju picadas
  • castanha do pará picadas
  • aveia em grãos
  • quinoa
  • gergelim branco
  • linhaça
  • semente de girassol
  • amendoim torrado sem casca

Quando estiver na quantidade bem bacana (a aveia é o que sobressai na granola), misturo de 1 a 2 colheres de açúcar mascavo, de 1 a 2 colheres de óleo de coco, de 1 a 2 colheres de mel. Misturo bem e sinto com as pontas dos dedos se está um pouquinho úmido. Se estiver muito seco, coloco um pouco mais de mel.

Coloco na assadeira uma camada beeem fina de granola (na primeira tentativa, coloquei demais na assadeira, e a granola mesmo pronta continuou úmida) e deixo no forno baixo até dourar um pouco. Fico misturando a cada 5 minutos para dourar bem todos os grãos. Cuidado para não queimar a granola, pois para pegar cor é muito rápido.

Depois de pronto, acrescento coco ralado queimado e vou transferindo no potinho e espero esfriar bem antes de fechar o pote. Ele fica soltinho e crocante.

Vira um belo presente para seus amigos.

~ Yuka ~

Isso também passará

Há alguns meses, começou a circular no YouTube, um vídeo curto de uma pessoa com o título “isso vai passar”.

Essa frase, retirada do arquivo de Folclore de Israel, se tornou famosa depois do discurso de Abraham Lincoln.

Quando sabemos que tudo o que estamos vivendo irá passar, passamos a aproveitar melhor o momento, tentando eternizar aquele momento, porque sabemos que isso vai passar.

Da mesma forma, se estamos em um período difícil, essa frase traz conforto, porque como sempre diz a minha mãe, não há inverno que dure para sempre.

Por saber que nada dura para sempre, nem as coisas ruins, nem as coisas boas, aproveitamos para aprender com as dificuldades e ter humildade e gratidão nos momentos de felicidade.

Então se você que está lendo esse texto, está passando por uma fase muito difícil, saiba que isso irá passar.

E se está vivendo dias bons, aproveite para curtir cada momento, pois isto também passará.

~ Yuka ~

Minha vida frugal, de volta ao passado…

vida frugal

Às vezes, tenho a sensação de que nasci na época errada. Às vezes, tenho a sensação de que estou voltando ao passado.

Enquanto muitas famílias pedem comida fast-food na sexta-feira à noite, aqui em casa geralmente rola uma comida caseira, como um hambúrguer caseiro com batatas fritas rústicas.

A minha casa tem sempre cheirinho de comida. Cheiro de pão caseiro saindo do forno, um bolo fofinho, uma assadeira cheia de suspiros…

O forno funciona praticamente todos os dias: são cookies, brownies, bolos, batatas recheadas, tomate confit, castanhas e amendoins torrados, sempre tem alguma coisa no forno, e na porta do forno, um pano de prato úmido para aproveitar o calor.

Faço o meu próprio iogurte grego, a granola, pão, molho de tomate, caldo de galinha, biscoito, bolo…

Faço sabão em barra, produtos de limpeza, costuro e sei fazer pequenos consertos.

Faço comida todos os dias e ainda levo marmita ao trabalho.

Estou tentando produzir meus próprios queijos.

Se tenho um tempo sobrando, faço massas de cookies para deixar congelado. Assim, quando recebo visitas, geralmente elas são mimadas com uma fornada de cookies quentinhos.

É como se eu voltasse a viver os tempos dos avós.

Para muitas pessoas, devo viver uma vida sem graça.

Para mim, vivo tentando desacelerar e descobrir as pequenas alegrias do dia a dia.

E querem saber? É uma delícia viver assim.

– Yuka –

Os filhos do consumismo vs pais consumistas = culpa de quem?

Girl with colorful bags and credit card

A pergunta que a gente sempre houve é que filho custa caro, muito caro.

Sim, filhos custam.

Mas também não custa horrores como vejo informar muitas capas de revistas (e algumas pessoas que conheço).

Antigamente era muito comum filhos estudarem em escola pública, morar numa casa simples, dividir quarto com irmãos, usar roupa surrada do primo, andar de chinelo na rua ao invés de tênis (ou até mesmo descalço), festa de aniversário com doces e salgados feitos pela mãe e vó, beber água da torneira, ganhar presente só no Natal, ir para a escola a pé, andar de ônibus, andar a pé, viajar para casa de parente, brincar ao ar livre, descer a ladeira da rua com carrinho de rolimã ou skate.

Já hoje…

É muito mais comum ver crianças em escolas particulares, morar numa casa decorada, cada criança com seu próprio quarto, plano de saúde particular, usar somente roupas novas, beber água de garrafa, almoçar no shopping, brincar no shopping, ganhar presentes todos os meses, ter playstation, TV a cabo com 1000 canais, festa de aniversário em buffet com palhaços e animadores, ir para a escola de carro, viajar para resorts, hotel fazenda, Disney…

Realmente, neste caso, filho custa muito.

Depende de como criamos e onde levamos os filhos para passear e como lidamos com o consumismo.

Se levarmos para passear no shopping, almoçarmos por lá e comprarmos alguma bobeirinha, é claro que a criança já vai crescer achando normal que em todo passeio os pais precisam abrir a carteira e gastar dinheiro.

Acredito muito que a criança aprende pelo exemplo.

Toda semana eu e meu marido saímos com as nossas filhas para colocar os pés descalços na grama, na areia ou na terra. Se está chovendo, saímos de casa mesmo assim, vamos para a biblioteca infantil que tem livros e brinquedos. Ou seja, isso significa que nossos passeios de fim de semana geralmente incluem parques, piqueniques, passear pela rua, bibliotecas públicas, centros culturais e parquinhos infantis.

Levamos suco natural, sanduíche, frutas e alguma bobeirinha pra beliscar. 

Também pedimos para as avós não comprarem presentes de forma exagerada, pois tanto eu como meu marido acreditamos que a criança tem que aprender a esperar, já que a vida não dá tudo o que a gente quer na hora que a gente quer. 

Veja bem, a criança não precisa usar a fralda mais cara. Não precisa de um quarto decorado. Não precisa de brinquedos novos toda semana, nem de brinquedos caros. Não precisa de roupas lindas e coordenadas. Não precisa de uma casa grande.

O que a criança precisa é do nosso amor, do nosso tempo e da nossa atenção.

E tudo isso, vejam só… é de graça.

– Yuka –

Significado do luxo nos tempos atuais

Há alguns anos, eu achava que luxo era ter coisas caras.

Hoje tenho certeza que luxo é ter liberdade para fazer escolhas.

luxo antes

ANTES – meu conceito do significado da palavra “luxo” (foto retirada daqui)

luxo depois

DEPOIS – meu conceito do significado da palavra “luxo” (foto retirada daqui)

 

Hoje, pra mim, o luxo-supremo é ter tempo. E percebi os meus pequenos luxos da licença-maternidade:

– poder passear durante a semana em horário comercial

– dormir até mais tarde

– não precisar sair de casa em dias de chuva e frio

– usar moletom

– cochilar depois do almoço sentindo o cheirinho do cabelo da minha bebê

– não precisar pegar metrô em horário de pico

– assistir um seriado, comendo pipoca, em plena segunda-feira à noite

– ter tempo para puxar conversa com a moça do caixa do supermercado, da farmácia e com os moradores do prédio

– cozinhar com calma

– ter tempo pra pensar na vida

É ou não é um luxo?

Parece bobeira, mas são pequenas ações, que geralmente não consigo fazer por falta de tempo.

Incrível como a idade e a experiência faz a gente mudar os conceitos que temos sobre certos assuntos.

O tempo tem uma forma maravilhosa de nos mostrar o que realmente importa. – Caio Fernando Abreu

– Yuka –

A liberdade de ser simples

roupa-simples1.jpg

Talvez a primeira coisa em que uma pessoa perceba simplicidade na outra, seria o jeito de se vestir?

Deixa eu contar pra vocês o que aconteceu comigo nesse fim de semana. Meu marido tem o olho muito sensível à luz, e estávamos procurando um óculos escuros. Procuramos em algumas lojas de rua e como não encontramos o modelo que ele queria, fomos ao shopping – o santuário do consumismo.

Encontramos o óculos que ele queria, compramos e quando estávamos saindo da loja, o vendedor perguntou: “vocês são daqui de São Paulo?”. Respondemos que sim, e fomos embora. Bom, eu não sou de São Paulo, mas vivemos nesta cidade há 14 anos.

Só que já na rua, começamos a conversar sobre a pergunta feita, de que não somos de São Paulo. E meu marido brincou dizendo “não, somos do sítio”. E começamos a dar muita risada, porque olhando para a nossa roupa, realmente estávamos fora do “padrão”.

Como era horário de almoço, em dia de semana, a maioria das pessoas estavam vestidas de camisa social, calça social e sapato (no caso dos homens) e calça social e sapato alto (no caso das mulheres).

Eu estava com uma blusa larga (para facilitar a amamentação), minha calça legging de grávida (porque as minhas calças ainda não servem em mim), sapatilha de pano (de quando meus pés estavam inchados), e estava segurando minha filha recém-nascida envolta numa manta.

Meu marido estava com uma camisa xadrez de manga curta, bermuda e tênis all-star. E uma mochila para carregar as principais coisas da nossa filha, como fraldas, trocador, uma muda de roupa extra, etc.

Ou seja, por não estarmos vestidos da forma que o vendedor julgava “ser da capital”, ele interpretou de que nós éramos do interior.

Isso na verdade, acabou sendo um elogio para nós.

Há alguns anos, tanto eu como meu marido comprávamos roupas muito caras para o nosso salário. Eu comprava muitas maquiagens importadas, sapatos e bolsas. E chegar no nível que chegamos atualmente, de nos vestirmos confortavelmente sem nos importar com a opinião alheia (e com a moda atual), foi uma vitória para nós.

E percebemos como podemos ser livres.

De como a simples decisão de nos tornar minimalistas, trouxe liberdade para nós.

Como dizia Leonardo da Vinci, a simplicidade é o último grau de sofisticação.

~ Yuka ~

Inspiração como oxigênio

inspiração

Semana passada, a leitora Camille me mandou uma mensagem perguntando quais vídeos e artigos me inspiram nessa jornada do autoconhecimento, minimalismo e simplicidade.

Na hora não me veio nada na cabeça, mas depois comecei a lembrar dos muitos vídeos e sites que acompanho com frequência.

Espero que sirvam de inspiração para vocês também.


1.) Sobre assuntos felizes

Hypeness

CicloVivo

Razões para acreditar

Otimundo

Conti Outra

Eu realmente gosto desses blogs sobre felicidade, me traz mais ânimo, leveza para o meu dia. Como não assisto televisão, muitas vezes passo alguns dias sem nem ao menos saber o que está acontecendo de coisa ruim no Brasil e no mundo. Já perceberam que a mídia tradicional geralmente só tem notícias tristes?


2.) Sobre desenvolvimento pessoal

Transcendência financeira – sobre enriquecer de dentro para fora

Mude.nu – mude seus hábitos, mude sua vida

Café filosófico – compartilha ideias de grandes pensadores contemporâneos

Casa do saber – para endossar ideias e questionar certezas

Seja uma pessoa melhor – resenha de livros de auto-desenvolvimento

Geração de Valor – acredita na libertação da mentalidade padronizada

 Eu acompanho muitos sites e vídeos sobre desenvolvimento pessoal. Eu adoro livros de auto-ajuda e percebo que realmente me faz bem acompanhar esse tipo de conteúdo.


3.) Livros que gosto

Quanto menos melhor – Léo Babauta

Devagar – Carl Honoré

O poder do hábito – Charles Duhigg

 Tenho vários livros que eu já li, mas segue 3 como indicação.


4.) Vídeos específicos que gosto muito
Aqui embaixo coloquei alguns dos vídeos que eu mais gosto sobre diversos assuntos. A maioria são vídeos curtos, outros, são documentários. Se puder arranjar um tempinho e assisti-los, garanto que não vai se arrepender.

Doar é a melhor comunicação

Todos morrem, mas nem todos vivem

Olhe para cima

Jogo do Privilégio

O que realmente importa para o seu filho – Marcos Piangers

A matemática de relacionamentos

Presidente do Uruguai e a liberdade de viver com pouco

Analogia sobre abuso dos recursos

On of Off – de que lado você está?

Pai, me ajude: nasci menina

Herói anônimo

A determinação para achar um sentido da vida: Eduardo Marinho

A servidão moderna

Sobre como é a educação na Finlândia

Espero que vocês tenham gostado. ❤️

~ Yuka ~