As mentiras que contam para você

pinoquio

Desde criança, eu aprendi que tinha que estudar. Mesmo não entendendo as matérias, não entendendo para que serviria a fórmula de báskara, não tinha o direito de questionar o professor, cabia a mim decorar e tirar uma nota boa o suficiente para passar de ano.

Depois tive que escolher uma curso para frequentar a faculdade. Nos meus 16 anos de idade, na idade da indecisão, nem sabia direito o que eu deveria fazer, mas uma coisa me disseram: quem não estuda, não vai para a frente. E eu queria ir para a frente, então escolhi um curso qualquer, não muito difícil para entrar, e ingressei numa faculdade pública.

Comecei a trabalhar cedo, mas os mais experientes sempre falavam para eu estudar mais para prestar um concurso público, pois a estabilidade seria o melhor presente que eu poderia ganhar. E assim o fiz.

Eu, que gostava tanto de ler, quando passei a trabalhar por 8 horas, vi que não sobrava mais tanto tempo assim para o lazer, muito menos para a leitura, e passei a assistir mais televisão, pois era mais fácil e (principalmente) rápido assistir um telejornal do que ler um jornal, era mais fácil assistir um filme do que ler um livro inteiro. E eu comecei a ser induzida pelas propagandas e passei a ser uma consumista.

Com essa falta de tempo, passei a desejar loucamente que o fim de semana viesse logo, então o relógio resolveu me ajudar e as semanas começaram a passar rápido. Só que não foram só as semanas que passaram rápido. Os anos passaram tão rápido que quando vi, já tinha 25. Quando percebi, já estava com 35.

Também comprei um apartamento financiado, pois todos compram, é um símbolo para a vida adulta. Financiei em 30 longos anos, pois dinheiro de aluguel, que isso, é um dinheiro jogado no lixo, enquanto as parcelas do financiamento é um dinheiro pago para você mesmo.

Foi só quando minha filha nasceu que eu saí dessa hipnose. Eu estava seguindo a manada, como uma zumbi, fazendo o que todos mandam fazer, sem questionar, de que trabalho deve ser o nosso sobrenome, e a família… bom, família a gente cuida no tempo que sobra.

Hoje minha cabeça está completamente diferente. Passei a avaliar com cuidado que vida quero levar, e comecei a estudar finanças para sair dessa armadilha do consumo e mais uma vez, descobri as inúmeras mentiras contadas pelas pessoas e mídias.

Sempre ouvi dizer que rico é desonesto. Rico ficou rico puxando tapete dos outros e pisando em cima das pessoas. Ouvi também que é bonito ter dívidas, que é normal gastar o dinheiro para desestressar, afinal, o trabalho é duro e merecemos um mimo. Se pagou uma jóia em 12 vezes, isso é sinal de esforço, de merecimento. Se compramos uma bijuteria de 10 reais, é coisa de pobre.

Repetem o que a mídia bombardeia sem nem ao mesmo questionar se aquela informação é verdadeira. Bom, se passou no Jornal Nacional, deve ser verídico, né?

Sei que cada um tem o seu tempo para sair da hipnose. Eu mesma demorei 34 anos para finalmente entender como eu era manipulada pelo sistema. Alguns percebem mais cedo, outros, morrem sem nunca ter percebido isso.

Ouço muitas pessoas pobres repetindo discurso de gente rica. Ouço muitas pessoas defendendo teorias que se aplicadas, vão prejudicar a elas mesmas.

Não acredite em tudo o que você lê por aí. Não acredite em tudo o que se repetem por aí. Durante muitos anos, eu acreditei em todas as mentiras que me contavam, sem nunca ao menos questionar se aquilo era realmente válido para mim. Analise se aquela teoria, se aquele discurso serve para você.

Muitas vezes, você vai se surpreender ao perceber que a maioria das regras não servem para você.

~ Yuka ~

Como facilitar a preparação da comida usando o freezer

freezer4

Uma coisa posso afirmar.

Eu ADORO o freezer da minha geladeira.

E por eu gostar tanto de usar o freezer, quero dividir um pouco com vocês o que gosto de ter sempre no congelador para poder preparar algumas comidas de última hora.

  • Queijos ralados: eu compro 3 queijos: um pedaço de provolone, um pedaço de parmesão e um pedação bem grande de muçarela. Ralo tudo no ralador grosso, coloco num saco, misturo bem e boto para congelar. Uso para fazer risoto, creme de queijo no pão italiano, macarrão com molho branco de 3 queijos, batata recheada, recheio de sanduíche, recheio de torta, etc.
  • Alho poró: lavo bem, corto em rodelas, e coloco num saco para congelar. Uso para fazer risoto, arroz colorido, quibe recheado, recheio de torta, salmão assado com alho poró, etc.
  • Hambúrguer caseiro: quando vou fazer hambúrguer em casa, já aproveito para fazer bastante para poder congelar. Coloco em bandejas e levo para congelar, somente depois de congelado que coloco num saco. Uso como hambúrguer no pão, hambúrguer à parmegiana, às vezes vira carne moída para macarrão.
  • Geléia de morango caseiro: minha mãe faz geléia de morango 1 vez por ano. Ela faz e me dá em um pote de sorvete e na medida que vou utilizando, vou repondo o pote de geléia que fica na geladeira.
  • Pão de queijo: é muito bom ter alguns pães de queijo no congelador.
  • Mandioca: quando encontro mandiocas bonitas, aproveito e compro a mais para congelar. Eu descasco, lavo para tirar a sujeira, coloco num saco e vai para o congelador.
  • Pão: sim, congelo pão. Tem um pão de forma japonês que gosto muito de comprar no bairro da Liberdade, em São Paulo. Só que não é sempre que passo na loja. Por isso já compro 3 pacotes e congelo no freezer.
  • Caldo de galinha caseiro: o caldo é concentrado e a medida é 1 xícara. Uso para tudo. Base de sopa, risoto, etc.
  • Ervilha: ervilha fresca congelada é tudo de bom.
  • Carnes separados em porções: carne moída, carne de vaca, filé de frango, carne de porco, filé de peixe, osso (para tirar caldo depois), etc.
  • Polpa de suco
  • Gelo artificial: é bom para colocar dentro do recipiente de água do climatizador nos dias calor, ou até mesmo colocar na bolsa térmica em dias de picnic.

Às vezes tem outras coisas, mas esses itens acima nunca faltam no meu congelador.

~ Yuka ~

O minimalismo é a ponta do iceberg para ter uma vida mais consciente

captura-de-tela-2016-08-29-as-08-56-58

Há 4 anos descobri o minimalismo. E desde então tenho tentado levar uma vida mais leve e simples. E com a introdução do minimalismo na minha vida, vieram todos os outros comportamentos que carrego hoje.

Primeira lição: aprender a desapegar das coisas.

Segunda lição: aprender a desapegar de pessoas negativas.

Terceira lição: viver com menos.

Quarta lição: ter o conhecimento da minha suficiência (quantidade que basta para algo) e parar de comparar com as outras pessoas.

Quinta lição: o consumo consciente.

Sexta lição: a importância da sustentabilidade.

Levar um estilo de vida minimalista possibilitou com que eu me conhecesse melhor. Por isso acredito que ainda irei descobrir a sétima, oitava, nona lição, mas por enquanto estou nesta sexta.🙂

~ Yuka ~

A indústria da beleza e a insegurança das mulheres

mila-kunis

Atriz: Mila Kunis

Eu me sinto linda… até começar a folhear alguma revista de moda no consultório médico.

Mulheres lindas nas propagandas, com pele radiante, cílios longos, sem pelos, cabelos sedosos sem frizz, pele corada e saudável, dentes brancos, sobrancelha perfeita, barriga chapada (depois de 1 mês de pós-parto, claro), lábios carnudos e rosados.

E daí eu me olho… pernas peludas por não ter tido tempo de fazer a depilação, olheiras por falta de sono, calcinha bege, unhas pintadas, mas descascadas por ter lavado louças…

Para mim, essa questão toda é muito bem resolvida, porque eu sei que ninguém consegue estar bonita 24 horas por dia. Até mesmo a Gisele Bundchen deve acordar com o cabelão desarrumado.

Mas será que todas as mulheres têm essa consciência?

A indústria da beleza traz (propositalmente) insegurança para as mulheres, porque é dessa forma que atrai as consumidoras para gastarem seu dinheiro ao tentarem se aproximar daquela pele bonita de uma determinada atriz, exterminar de vez aquela celulite que insiste em aparecer, comprar produtos para emagrecer etc.

Acho legal a pessoa gostar de se cuidar, só não pode tornar isso uma obsessão.

E você, tem consciência de que é linda?

~ Yuka ~

Reduzindo a quantidade de esmaltes

img_2673

A pedido da leitora Ana Paula, hoje o post é sobre os esmaltes que tenho.

Lembram que eu tinha uma maleta de esmaltes? E que eu tinha em torno de 40 esmaltes e vários acessórios para as unhas?

Hoje, a minha caixinha de esmaltes se resume a esta bandeja aqui. Tento comportar somente o que é realmente necessário. Alguns esmaltes, um alicate, espátula, lixa, algodão, acetona, enfim, poucas coisas.

img_2671

img_2670

img_2672

Eu comentei em um dos posts que parei de assistir televisão. Não saber as cores da moda, fez toda diferença para ter poucos esmaltes. Agora compro somente cores que sei que ficam bem em mim, e não as cores que estão na moda.🙂

~ Yuka ~

Sociedade baseada em rótulos

rotulos

Fonte: Pinterest

Gosto sempre que possível, compartilhar por aqui algumas situações que enfrento por levar minha vida simples. A ideia não é criticar quem faz diferente, mas dar apoio às pessoas que tentam levar um estilo de vida menos consumista (saibam que não estão sozinhas).

Como vocês sabem, estou grávida e provavelmente estou esperando uma menina. Digo provavelmente, porque há ainda uma chance de erro de 30%. Ao comentar isso com os colegas de trabalho, informei que se for uma menina, não precisarei comprar nada porque eu (sabendo que ainda teria mais filhos) guardei todas as roupinhas da minha filha. E me chamaram de pão-dura.

Saibam que eu não me ofendo fácil, nem fico chateada com estes rótulos. Só acho engraçado a sociedade achar tão natural comprar-comprar-comprar, mesmo não precisando comprar. Se eu já tenho um berço, o colchão, a banheira, as roupinhas (que estão limpas e quase novas), os sapatinhos e brinquedos, para quê comprar algo que não estou precisando?

Aliás, fui numa festa de aniversário de 1 ano de um primo meu, e estava tudo muito lindo. Só que não consigo deixar de imaginar, como os pais administram os 100 brinquedos ganhados de uma única vez? Entrega-se tudo para o filho? Ou guarda-se e libera 1 brinquedo por semana?

Para a alegria da minha filha, ela também ganhou um presente da prima. E desde que entreguei este único presente, ela brinca, tira, chacoalha, traz para perto para me mostrar, enfim, ela brinca até dizer chega. Foi quando pensei nos pais que administram 100 brinquedos.

Muitos podem achar que o amor dos pais é proporcional à quantidade de brinquedos que uma criança possui. Ou das roupas novas e caras, sinal de uma criança bem cuidada.

A sociedade que se baseia em rótulos diz que “sim”.

E eu digo “não necessariamente”.

~ Yuka ~

Posso compartilhar uma coisa com você?

Oi pessoal,

Esse título soa estranho, eu sei, mas não sabia o que colocar no título…

Semana passada, a Rosana Radke (ela posta vídeos sobre minimalismo, no YouTube) citou o blog Viver Sem Pressa como um de seus blogs favoritos.

Olha, me pegou de surpresa, mostrei pro meu marido e ele brincou dizendo estou me tornando uma anônima-famosa rsrsrs.

Eu fiquei muito feliz, sabe? Feliz em saber que mesmo não mostrando meu rosto, preservando a minha identidade e a da minha família, muitas pessoas têm me falado que gostam muito do que escrevo.

E por isso senti muita vontade de compartilhar isso com vocês!

Para quem quiser assistir, segue o vídeo abaixo:

Além do meu blog, ela também cita outros 2 blogs que merecem uma visita, que é o Meu Diário Minimalista e o Ludmilismos.

(Rosana, adorei o vídeo!! Me senti muito lisonjeada, viu?)

Beijos e beijos!!!

~ Yuka ~